Perguntas como estratégias indiretas no trabalho hipnoterapêutico – pt.2

indiretas

No texto passado exploramos as perguntas como estratégias indiretas para contribuir na construção das experiências que são importantes serem acessadas na clínica ericksoniana (segurança, aprofundamento, compreensão implícita e resolução emocional).

Indicamos que existem três formas básicas de aplicação:

  1. Estimulação indireta, visando potencializar escolhas diretas, através da intencionalidade consciente.
  2. Estimulação indireta visando promover através de escolhas diretas,  reações inconscientes.
  3. Estimulação indireta visando promover escolhas e reações totalmente inconscientes (vide texto anterior para compreender melhor essas definições)

Ofertando uma série de perguntas que mostravam a aplicabilidade dessas três características de questionamento terapêutico, visando estimular a experiência do transe, hoje iremos focar o seu uso, dentro da compreensão das informações implícitas e estimulação para promover resoluções internas.

Perguntas que Favorecem a Disposição para Construir Compreensão das Informações Implícitas.

Lembramos que as demandas que o cliente compartilha, sempre é formado por duas característica de informações:

  1. Informações Explícitas
  2. Informações Implícitas.

As informações explícitas indicam a maneira como o cliente expressa, de forma superficial, o seu sofrimento.

As características explícitas sempre fazem menção a descrição literal das emoções que estão surgindo (ex. estou com raiva), do foco nas circunstâncias ambientais (ex. quando ouço isso fico com raiva), eou mostrando as reações negativas que tal sofrimento traz ao seu sistema (ex. sou um monstro por ter raiva).

As informações explícitas são importantes, principalmente para compreendermos a linguagem do cliente e a forma como ele vem lidando com suas dificuldades, assim como seus efeito,  mas não nos ajudam a construir uma compreensão profunda sobre sua demanda.

Tal compreensão profunda é construída quando acessamos as informações implícitas,  que nos ajudam nesse sentido, por trazerem um tipo de informação que deflagra as necessidades verdadeiras do cliente,  que precisam ser curadas eou desenvolvidas na base dos seus sofrimentos. 

O implícito faz menção aos significados profundos que estão na base daquilo que nossos clientes pensam, sentem e fazem. Ao acessarmos tais informações, compreendemos as às verdadeiras demandas que deverão ser acolhidas e trabalhadas, visando promover sua regulação e desenvolvimento.

As perguntas indiretas que podem ser feitas para explorar esse tipo de informação, visam estimular o foco do cliente ao acesso a tais significados que estão na base de seus sofrimentos.

Alguns exemplos de perguntas que podemos realizar para explorar as informações implícitas:

  1. Como seria encontrar a sua maneira de olhar profundamente para seu problema, até perceber  qual é sua verdadeira necessidade?
  2. Sinta esse conforto pelo tempo que seja necessário, até você decidir  construir a clareza, de qual é  sua necessidade profunda?
  3. Enquanto uma parte sua percebe o problema, como seu inconsciente te ajuda a compreender por que esse problema é um problema para você?
  4. Seu inconsciente te ajuda a compreender qual é sua necessidade profunda na medida em que você  escolhe prestar atenção na minha voz ou mergulhar profundamente em seu conforto?
  5. Enquanto você fica curioso… se surpreenda como surge, de uma forma que você nem percebe como acontece, a informação de qual é o problema do problema?
  6. O que o seu inconsciente te ajuda a fazer ou deixar de fazer  para, enquanto uma parte sua não sabe, que você possa se surpreender,  com aquela parte sua que sabe,  qual é sua verdadeira necessidade? 

Nas duas primeiras perguntas  utilizamos um estímulo indireto, que permite que o cliente eleja  uma alternativa, de forma consciente,  que o auxiliará a se focar na busca de sua compreensão mais profunda.

Na segunda, estimulamos opções conscientes que ao serem feitas, criam a expectativa positiva de que o inconsciente irá promover, de uma maneira espontânea e criativa, informações que auxiliarão no ato de compreender as próprias necessidades.

E já no terceiro exemplo, as perguntas geraramm uma expectativa para o cliente perceber a relação  entre “experiência desconhecida e resposta desconhecida”, que é aquilo que estamos indicando como estímulo indireto para que tanto o fazer,  como o responder, emerja totalmente da mente inconsciente.

Nela o cliente fica em um estado de total expectativa positiva, para perceber aquilo que o inconsciente vai fazer, visando gerar uma compreensão mais profunda, das informações implícitas (que surgirá de forma totalmente espontânea).

Perguntas que Favorecem a Disposição para Acessar Experiências Resolutivas

Em Erickson as informações capacitadoras da cura emergem das associações do inconsciente que, segundo ele, surgem intensas, diversas e conectivas o suficiente  para reorganizar os focos internos de sofrimento.

Dessa forma, em Hipnose Ericksoniana, a cura acontece quando dentro das nossas limitações, são introjetadas informações que geram uma experiência interior, que nutre nossas feridas e ofertam estímulos fortalecedores para o crescimento dos nossos recursos.

Nesse sentido, as perguntas terapêuticas são feitas com a intenção e objetivo de  favorecerem a disposição para que as experiências resolutivas, possam potencializar o acesso às informações curativas do inconsciente, visando promover a reestruturação das experiências internas de desempoderamento, que foram construídas na história de vida da pessoa.

Exemplos de perguntas de cunho resolutivo:

1 – Enquanto você tem todo tempo, dentro do tempo que nós temos, para se conectar com a ideia de qualidade de vida emocional que você deseja, perceba o que você escolhe construir,  para  te ajudar a dar o próximo passo?

2 – Enquanto uma parte me ouve, como outra parte te ajuda a se nutrir, de uma maneira que fique claro do que você precisa, para  se sentir totalmente bem?

3 – De que maneira, mesmo que você não perceba como, que se torna presente aquilo que você não sabe que sabe, mesmo que outra parte saiba, que fará com que as coisas fiquem totalmente bem?

Mais uma vez aplicamos as três formas de utilizar às questões terapêuticas, para mobilizar uma curiosidade e um fluxo interno, que potencialize a reestruturação do sofrimento.

Na primeira pergunta utilizamos a estrutura de opções de escolha indireta,  para o cliente realizar uma construção totalmente  conscientemente, de uma forma que faça sentido para ele. 

Já na segunda aplicação foi feita uma aplicação para que através de sua escolha consciente, fosse criado uma condição e expectativa positiva quatno a emersão de uma informação inconsciente.

E  finalmente, na terceira  pergunta, inclusive adicionando um pouco da estratégia de confusão, trabalha-se  a linguagem da questão de tal maneira, visando deixar o cliente em um estado de curiosidade e expectação positiva, para que as informações surjam totalmente do inconsciente.

Assim como qualquer estratégia, as perguntas terapêuticas são instrumentos adicionais para aumentar a probabilidade do seu cliente acessar os objetivos clínicos. 

Lembrando que atingir os objetivos clínico,  envolve todo um sistema de fatores (campo relacional, aprofundamento, compreensão das informações implícitas e estratégias adequadas e singularizadas ao perfil do cliente, além de respeito ao seu ritmo de crescimento) para  se promover  a experiência de cura e processos verdadeiros de desenvolvimento.

Leia a primeira parte, clicando aqui.