O medo e a fé têm muito em comum. Ambas as emoções exigem que você acredite em algo que você não pode ver, Bob Proctor.

Você já deve ter escutado que a principal diferença entre a fé e o medo é de que a fé constrói e o medo derruba. É claro que ao longo da nossa vida temos disponíveis todos os recursos que precisamos, mas podemos optar por nos erguer na fé e criar nosso futuro.

Fazemos isso tomando ações positivas em nossas vidas, dentro da realidade de nossa situação atual e sabendo que o Divino nos concedeu o poder de moldar nosso próprio destino.

Uma pessoa temerosa se afasta deixando desculpas, amigos, família, circunstâncias e quaisquer outras distrações romperem seus objetivos e acabam com possibilidades e enterram seus sonhos.

Viver consciente ou não de um medo leva à dispersão e à dissipação de sua vida. Olhe para o seu medo a fim de liberar toda a energia que ele contém. Essa energia liberada lhe permitirá tomar e criar os próximos passos positivos necessários para levá-lo adiante, especialmente em tempos difíceis que fazem parte da vida.

Confira algumas maneiras de trabalhar o medo. Embora estas práticas possam parecer simples, elas podem realmente ter um impacto poderoso quando levadas a sério:

1. Estabeleça uma base de calma

Faça uma respiração consciente ou outro tipo de atividade que traga uma sensação de relaxamento. Esta é uma recomendação óbvia, mas fácil de esquecer.

2. Explore o medo com um senso de curiosidade e não de julgamento

A autocrítica arma uma armadilha que faz com que a experiência do medo fique presa com você. A curiosidade, por outro lado, abre possibilidades fazendo com que a relação com o medo seja menos intensa.

3. Envolva-se em práticas de bondade amorosa

Isto é algo que o Buda sentiu ser particularmente útil para as pessoas que experimentam um forte medo ou pânico. A bondade amorosa é um tipo estruturado de meditação que encoraja uma atitude de cordialidade para consigo mesmo e para com os outros. Por exemplo, você pode pensar por si mesmo, “eu posso ficar a vontade”, ou “eu posso sentir paz”. Pratique ser gentil consigo mesmo e expanda-a para incluir outros.

4. Cultive a consciência de “pontos de contato”

Quando perceber o medo, concentre-se no contato que seus pés fazem com o chão ou, concentre-se na sensação em suas pernas e costas enquanto eles fazem contato com a cadeira, da qual você está sentado. Em contraste com a sensação de medo que é tão orientada para o futuro, este tipo de prática de aterramento pode trazer você mais um para o momento presente.

5. O medo muitas vezes serve como um sinal para olhar além

Quando usamos a coragem para superar nosso medo, muitas vezes descobrimos o autêntico núcleo de nosso desconforto e assim nos libertamos da paralisia que o medo cria.

Considere o poder da sua fé

Se confiarmos apenas até onde compreendemos, então temos todos os motivos para nos preocuparmos com as várias tentativas e dificuldades que impactam nossa vida. Afinal de contas, não sabemos qual é o propósito disto tudo. E quanto ao futuro? Há toda uma vida inteira de circunstâncias invisíveis sobre as quais podemos enlouquecer com a inquietação.

Mas se escolhemos ter fé, confiar em Deus – a Força Universal, que guia tudo no céu e na terra e além – então estamos livres de ter que temer os altos, baixos e as dificuldades e desafios da vida.

Esperamos que este artigo tenha te ajudado a desacreditar no medo e a confiar mais na fé. E para ler mais blogs como este, basta clicar aqui e conferir todo o nosso conteúdo.