Uma das definições da palavra princípio refere-se a tudo aquilo que serve como base, como raiz para a criação de algo maior. Tudo que nos cerca possui um princípio, um pilar sólido que guiará o desenvolvimento do conhecimento, como é o caso da Hipnose Ericksoniana.

Milton H. Erickson desenvolveu a Hipnose Ericksoniana como uma resposta prática e eficaz a tudo o que ele observou durante os anos de paralisia, por conta da poliomielite, e no decorrer de seus estudos clínicos.

E esta resposta é baseada em princípios claros, que respeitam a individualidade dos envolvidos e estimulam a transformação em diferentes níveis, e que servem como parâmetro para a utilização da Hipnose Ericksoniana, seja como meio para a cura e ou seja como meio de mudança.

Acredite, a medida em que você aplica os Princípios Ericksonianos a sua maneira de trabalhar, o valor do uso da Hipnose Ericksoniana se tornará cada vez mais e mais evidente.

Princípios Ericksonianos

1. Cada pessoa é única e cria sua própria metáfora de cura. O hipnoterapeuta ericksoniano se alia a esta metáfora e assume o papel de guia;

2. Temos em nosso interior a capacidade de resolver quaisquer questões que interferem no fluir de nossa vida e assumir esta responsabilidade é o primeiro passo no processo de cura;

3. Tudo o que é necessário é criar uma “mudança estratégica”, a menor mudança possível, e permitir que ela se generalize. Lembre-se que uma pequena mudança gera mudanças em todos os sistemas relacionados à pessoa. E sempre é possível realizar uma pequena mudança;

4. O tempo é relativo e a linguagem mental e os processos mentais estão em constante estado de fluxo criativo;

5. Todo problema tem uma solução e é possível trabalhar com qualquer coisa. Se algo não está funcionando, tente outra abordagem e assim por diante, até que uma funcione. Não desista, toda fechadura tem sua chave (frase atribuída a Erickson);

6. Não existe algo como “resistência” quando a resolução a determinado problema vem da própria pessoa, por isso deixe que a mente inconsciente reúna as peças do quebra-cabeça. Erickson sempre ressaltava que o cliente nunca é resistente a sua própria resolução do problema e o papel dele, como hipnoterapeuta, não era o de dar as respostas, mas, sim, o de “mover-se” em sintonia com o processo, guiando e acompanhando sempre;

7. Há poder no intercâmbio da vulnerabilidade.