Que imagem você tem quando o assunto é hipnose? Um relógio oscilando em frente a uma pessoa letárgica? Muitas vezes a técnica é associada com esse tipo de imagem, no entanto, existem vários tipos de hipnose, todos distantes dessa ideia preconcebida. 

Ao contrário do que se imagina, a hipnose não é uma forma de controlar alguém inconsciente, de induzir uma pessoa fazer coisas independentemente de sua vontade. 

O termo hipnose vem do grego “hypnos”, que significa sono. Ou seja, ela alcança um estado de atenção focada em que o inconsciente é ativado e a consciência é distraída. Saiba mais sobre o assunto a seguir!

Para que serve a hipnose?

A atenção focada é o método de dedicar toda atenção para uma única coisa, investindo toda capacidade mental e imaginativa em um único objetivo. Nesse momento, a consciência distrai-se com o objetivo principal com tamanho esforço que o inconsciente é ativado, tornando-se mais acessível. 

Quais os tipos de hipnose?

Agora que definimos o objetivo da hipnose vamos conhecer as diferentes maneiras como a técnica pode ser aplicada!

Hipnose tradicional

A hipnose tradicional se baseia na ideia de que é possível dizer a uma pessoa de que forma agir e como fazer com que a mente acate a essa ordem. Para isso, a pessoa deve ser suscetível para poder atingir o estado de atenção focada. Só então, o que for dito a ela, será apreendido diretamente pelo inconsciente.

O hipnoterapeuta faz testes para verificar quão suscetível a pessoa é. A partir dessa constatação, estipula que tipo de sugestões a mente daquela pessoa absorveria.

A efetividade desse tipo de hipnose depende, portanto, da suscetibilidade de cada um e da aceitação que a pessoa demonstra ao ouvir a sugestão, que é quase uma ordem. Quando se trata de pessoas muito lógicas ou determinadas, a mente pode oferecer resistência em aceitar as sugestões e a eficiência do método pode ser comprometida. 

Auto-hipnose

A auto-hipnose é uma forma de tomar o controle das suas ações. Ela estimula a autoconfiança ao postular que a pessoa é capaz de alterar a si mesma. Para aprender essa técnica, existem cursos e livros dedicados ao assunto. 

A auto-hipnose pode combinar várias técnicas, como as sugestões subliminares e os jogos de palavras, por exemplo. As técnicas têm como objetivo reforçar a sua autoestima. Por isso, é necessário relaxar a mente, ter uma atitude positiva e boa iniciativa, já que objetivo é se melhorar como pessoa.

 

Hipnose Ericksoniana

O método Ericksoniano, diferentemente da hipnose tradicional, não depende da sugestionabilidade da pessoa para funcionar: ele se adapta à personalidade de cada um.

Milton Hyland Erickson foi o criador do método que leva seu nome. Psiquiatra, ele se especializou em hipnose clínica e terapia familiar. Foi um dos fundadores da Sociedade Americana de Hipnose Clínica, em 1957, como presidente da instituição. Ele também criou o American Journal of Clinical Hypnosis (Revista Americana de Hipnose Clínica) e foi seu editor por 10 anos. 

A relação de Erickson com a hipnose era muito pessoal. Ele começou a se aproximar da técnica para superar as suas limitações físicas. Aos 17 anos, ele teve poliomelite e o resultado foi uma paralisia tão grave que os médicos acreditavam que ela poderia oferecer risco de vida a Erickson. Talvez por sua relação pessoal com o assunto, ele introduziu na hipnose o conceito de que as técnicas devem ser adaptadas aos pacientes. 

A hipnose Ericksoniana estabelece sua forma de atuar a partir da linguagem de cada paciente para que o inconsciente ofereça menos resistência ao método. Dessa forma, a hipnose Ericksoniana respeita os valores e crenças individuais, que poderiam impedir o funcionamento do método. 

O terapeuta é um facilitador, alguém que ajuda o paciente a entrar em contato com seu inconsciente e entender seus mecanismos. Desse modo, o paciente pode ampliar seu autoconhecimento e usar essas informações para mudar o que o incomoda em sua personalidade ou em sua vida. Trata-se, portanto, de uma experiência de cooperação entre paciente e terapeuta. 

Outra questão explorada pela hipnose Ericksoniana é utilizar os sintomas para promover alterações. Alterando questões relativas ao sintoma, como a intensidade, frequência ou localização, seria possível mudar toda dinâmica em questão e resolver o problema.

A uma pessoa que lava as mãos compulsivamente, 50 vezes por dia, por exemplo, poderia ser sugerido que ela deveria lavar as mãos 100 vezes por dia. A intenção seria agir da mesma forma que a psicologia reversa: ao sentir-se obrigada a lavar as mãos, a pessoa responderia a uma demanda externa, não interna, e a compulsão diminuiria. 

A linguagem do inconsciente, para Erickson, é a da imaginação e da metáfora. As histórias ou anedotas terapêuticas, trava-línguas ou jogos de palavras, são elementos cruciais de seu trabalho. Elas seriam como mensagens codificadas, que muitas vezes nem são compreendidas pela mente, mas que penetram no inconsciente e promovem alterações.

Um relato sobre Erickson afirma, por exemplo, que ele tratou de um garoto de 12 anos que fazia xixi na cama frequentemente. Erickson contou ao garoto a história detalhada de quais músculos flexionamos e como movemos nosso corpo para lançar uma bola de baseball. Dessa forma, ele implantou no inconsciente do menino informações relativas ao timing e controle muscular.

O fato de Erickson valorizar a inclusão dessas mensagens no inconsciente demonstra que ele via a hipnose como uma ferramenta terapêutica. Portanto, o objetivo da sua técnica, é utilizar histórias para mudar um comportamento ou uma associação mental.

Isso é alcançado por meio de uma metáfora, comando ou um processo de instruções que são incorporados à história. Esse comando, ao atingir o inconsciente do paciente de maneira adequada, promove alterações. 

Alguns dos problemas para os quais a hipnose Ericksoniana propõe tratamento são: 

  • dificuldade de concentração;

  • ansiedade;

  • depressão; 

  • medo; 

  • angústia;

  • conflitos internos;

  • dificuldade de comunicação. 

O método também oferece possibilidades para:

  • melhoria da capacidade de concentração; 

  • melhoria do sono e da rapidez para pegar no sono;

  • desenvolver estados de alto rendimento. 

Essas capacidades são interessantes não só para quem deseja melhorar sua qualidade de vida, mas também para quem quer ganhar destaque na carreira profissional. Exatamente por isso, a técnica da hipnose Ericksoniana é muito utilizada em coaching para que o paciente alcance seus objetivos profissionais e estabeleça relacionamentos mais produtivos com seus clientes e colegas.

A técnica também pode ser utilizada para que o paciente lide com sentimentos que o afligem no trabalho, como a sensação de não ter capacidade de lidar com desafios, a dificuldade de pensar sob pressão ou a lentidão para executar tarefas. 

Gostou de saber mais sobre os diferentes tipos de hipnose? Então, assine nossa newsletter e receba conteúdos exclusivos como este diretamente no seu e-mail!