Você sabia que traumas, angústias e fobias podem ser resolvidos com a terapia de vidas passadas (TVP), também conhecida como terapia de regressão de memória?  Muita gente torce o nariz quando escuta falar de regressão, mas saiba que essa é uma técnica psicoterapêutica que pode trazer mudanças significativas na vida pessoal, social ou profissional.

Na mídia, encontramos vários depoimentos de famosos que conseguiram se livrar de bloqueios e fobias com a terapia de regressão. A cantora britânica Adele desenvolveu um medo inexplicável para se apresentar, em 2013, na cerimônia de entrega do Oscar. Ela, geralmente tão acostumada aos palcos, submeteu-se à regressão e conseguiu voltar à sua atividade.

Os atores Bruce Willis e Murilo Benício também foram beneficiados com a regressão e conseguiram se curar da gagueira, que dificultava o trabalho de atuação.

Neste post, vamos tratar sobre as verdades e os mitos da terapia de vidas passadas, bem como as técnicas que o terapeuta pode utilizar para sua realização. Vamos falar, ainda, da hipnose — em especial, o método ericksoniano — como ferramenta eficaz utilizada na regressão. Acompanhe!

Regressão e terapia de vidas passadas: o que é verdade e o que é mito

Em primeiro lugar, é necessário esclarecer o que é a terapia de vidas passadas. Trata-se de uma terapia em que o paciente faz uma regressão a momentos do passado, sejam recentes, da sua infância ou até de antes do nascimento (ainda no útero). Muitos psicólogos utilizam essa forma de terapia para ajudar seus pacientes na resolução de diferentes tipos de problemas.

O que incita a polêmica sobre a terapia de regressão de memória é sua associação com “vidas passadas”, que causa um embate com a crença religiosa de muitas pessoas. Quando se fala em regressão, ou terapia de vidas passadas, a ideia é levar a atenção do paciente a um nível mais profundo de sua mente para acessar fatos do passado e conseguir, dessa forma, solucionar problemas, bloqueios e sofrimentos do presente.

Há autores que relatam que seus pacientes conseguiram acessar memórias de vidas passadas. É o caso do livro “Muitas Vidas, Muitos Mestres”, do psicoterapeuta Brian L. Weiss, em que uma mulher, na terapia, visualiza suas 86 vidas passadas e consegue descobrir por que sofre de síndrome do pânico. Como o tema gera muita controvérsia, o próprio Weiss foi expulso da comunidade médica após a publicação dessa obra.

Acreditar ou não em vidas passadas ou reencarnação não altera em nada os benefícios que a terapia da regressão pode propiciar na vida dos pacientes. Cabe ao paciente apenas querer ter acesso a essas informações tão bem guardadas em sua mente.

Verdades sobre a regressão

Possui embasamento científico

A terapia de vidas passadas foi criada pelo americano Morris Netherton, doutor em Psicologia. Após repetidos sonhos, em que se via numa embarcação naufragada, ele realizou uma sessão de regressão e conseguiu reviver essa mesma vida, em que morrera por afogamento. Dessa forma, em 1967, Netherton desenvolveu uma técnica para acessar experiências de memórias passadas, denominada terapia de vidas passadas.

Terapia de regressão utiliza a hipnose 

As sessões de regressão utilizam a hipnoterapia como ferramenta para acessar o inconsciente do paciente.

Existe contraindicação para a regressão 

Há contraindicações para grávidas, surdos, pacientes cardíacos, com problemas mentais ou psicóticos. O terapeuta experiente e qualificado saberá identificar casos em que a terapia de regressão de memórias não é recomendada.

Mitos sobre a regressão

A terapia de vidas passadas é ligada a alguma religião

Trata-se de uma técnica terapêutica da psicologia e não tem nenhuma relação com religião. Pessoas de todas as crenças podem se beneficiar das sessões de regressão.

O paciente precisa acreditar em vidas passadas

As memórias do passado podem até ser fantasiosas, ou seja, criadas por alguma razão no inconsciente do paciente. O que se busca é a resolução de problemas, dificuldades e angústias, acessando essas experiências do passado que não ficaram registradas na memória consciente. A ideia é trazer o benefício dessa terapia para o paciente.

Há alguma chance de o paciente não voltar da regressão

O paciente estará acessando suas memórias antigas na terapia, porém, no processo, ele tem total controle sobre seu corpo e está consciente. Pode-se dizer que são as memórias do passado que vêm à tona ao paciente, e não o paciente é quem vai até as memórias passadas.

Ao contrário do que muita gente pensa, o paciente está ali e consegue interagir com o terapeuta podendo até parar a sessão a qualquer momento. Mesmo assim, muita gente acredita que na regressão o paciente “sai” do corpo e, por isso, a técnica ainda é tão mal compreendida.

A terapia de regressão pode ser dolorida

O paciente, ao acessar experiências do passado, pode reviver sentimentos e emoções, mas não sentirá nenhuma dor física.

O paciente passará por situações constrangedoras na regressão

Essa é a visão de regressão mostrada em shows de televisão e no cinema. Como dissemos acima, a hipnose é a ferramenta utilizada na terapia de regressão para que o paciente seja levado a essas memórias antigas.

Contudo, o paciente está consciente e tem um controle da situação, por isso, em hipótese alguma uma sessão de regressão será uma experiência vexatória para o paciente. 

Experiências passadas são fruto da imaginação?

Mas como saber se essas experiências do passado realmente aconteceram na vida do paciente? Será que não é fruto de sua imaginação?

Os especialistas em terapia de regressão da memória estão preocupados mais com os benefícios que esse tratamento pode trazer ao paciente. Se seu inconsciente fantasiou um acontecimento e isso traz problemas no presente, deve ser resolvido de qualquer forma!

A terapia regressão se constitui, na verdade, em um aprendizado a partir do passado. Ela possibilita ao paciente ter novas atitudes e comportamentos, e traçar novos direcionamentos de vida para o futuro.

Ao contrário do que muita gente pensa, não há nada de paranormal quando se fala em regressão. Essa é apenas uma abordagem psicoterapêutica que conduz o paciente a seu inconsciente, buscando a resolução de bloqueios que podem trazer diversos problemas para sua vida pessoal e profissional.

Resumindo: a regressão, ou terapia de vidas passadas, é uma forma de acessar, no inconsciente, memórias recentes ou remotas e tirar disso um aprendizado, promovendo, em muitos casos, mudanças consideráveis no modo de vida das pessoas!

Os problemas que podem ser tratados com a terapia de regressão

Vários problemas que afetam e até limitam o dia a dia das pessoas em diferentes esferas podem ser resolvidos com a terapia da regressão, como:

  • traumas;
  • depressão;
  • fobias (de altura, lugares fechados, falar em público);
  • dores sem explicação;
  • distúrbios psicossomáticos (úlcera gástrica, alergias);
  • distúrbios alimentares;
  • síndrome do pânico;
  • transtornos de ansiedade;
  • estresse;
  • problemas sexuais (impotência, ejaculação precoce, perda de libido);
  • problemas de sono;
  • dificuldades de relacionamento;
  • problemas com a autoestima;
  • vícios (álcool, cigarro).

Até mesmo problemas de saúde podem ser solucionados nas sessões de terapia de regressão. É claro que nada vai substituir o tratamento médico, mas a terapia pode trabalhar em conjunto, ajudando no rápido restabelecimento do paciente.

Veja agora exemplos práticos de como a terapia de regressão de memórias pode ser transformadora.

Lidar com traumas e fobias

Vamos imaginar que, na infância, você quase se afogou brincando na piscina, porém, como o acontecimento foi muito traumático, isso não ficou registrado como uma experiência na sua memória. Então, você hoje é incapaz de chegar perto da água, fica realmente em pânico, mas não sabe por quê.

Na situação descrita, a fobia te impossibilita de nadar e desfrutar momentos de lazer em locais com piscina ou na praia. Isso porque, para você, a água está relacionada ao risco de morte. 

Tomar conhecimento de que você quase se afogou na infância pode ser possível com a terapia de regressão da memória que, se bem conduzida, é capaz de curar essa fobia.

Você já deve ter conhecido alguém com medo de dirigir. Para você, que até gosta de ser o motorista, esse pode parecer um medo insensato. Mas, para a pessoa, ocorre um bloqueio: ela pode ter feito todas as aulas da autoescola e até ter conseguido tirar a Carteira Nacional de Habilitação, mas o carro fica lá, guardado na garagem.

Para trabalhar ou levar os filhos na escola, essa pessoa utiliza o transporte público. Na carreira, até precisou recusar uma promoção, pois teria que viajar de carro para outras cidades.

Consegue visualizar como esse medo tem consequências negativas no dia a dia do indivíduo? Agora, imagine a angústia de não saber de onde vem esse medo de sentar em frente ao volante.

Na terapia de regressão de memória essa pessoa pode descobrir, por exemplo, que quando era bebê o carro em que estava se envolveu em um acidente e, por isso, ela não consegue, hoje, ser a condutora de um veículo.

Acessar essas informações que estavam “trancadas” no inconsciente pode ser uma ajuda e tanto para essa pessoa que, certamente, conseguirá mudar sua visão em relação a dirigir um carro, superando essa limitação. Sem exageros, é uma verdadeira libertação!

Portanto, o objetivo da regressão ou terapia das vidas passadas é trazer à tona essas memórias, emoções e sentimentos guardados no inconsciente e conseguir resolver traumas e fobias, que podem estar gerando dificuldades e sofrimentos no presente. 

Desfazer associações errôneas

A máxima de que nosso cérebro prega peças na gente é verdadeira, por isso, é importante ter conhecimento de fatos da nossa vida que não ficaram registrados em nossa memória.

Com a regressão, podemos desfazer associações errôneas, como no exemplo que demos de associar piscina ou praia a risco de morte. Promover essa mudança em nossa consciência pode transformar nossas vidas!

No trabalho, por exemplo, algumas pessoas ficam paralisadas quando precisam cumprir uma tarefa sob pressão. Essa dificuldade traz muitos problemas, já que trabalho é sinônimo de produtividade e, muitas vezes, as tarefas são executadas sob pressão.

Então, como lidar com isso? A terapia de regressão de memórias pode ajudar esse paciente a buscar a solução desse conflito internamente, acessando algum acontecimento passado que contribui hoje para essa dificuldade.

Buscar a catarse

A regressão é uma terapia que busca a catarse, ou seja, a liberação de angústias que se originam no inconsciente, transformando-as em lições de vida. Como se vê, o paciente consegue se libertar, dando um novo significado a esse problema. A ideia é promover o autoconhecimento para que a pessoa tenha qualidade de vida, seja no trabalho, na família ou no convívio social.

Entenda as técnicas de regressão utilizadas em uma sessão de hipnoterapia

Como já dissemos acima, a terapia de regressão utiliza a hipnose como ferramenta para acessar as experiências passadas do paciente, ajudando na resolução de conflitos e bloqueios do presente.

A hipnose é um estado altamente focado de atenção, obtido gradualmente com a orientação do terapeuta.

Mas é preciso fazer um alerta: para que a técnica seja feita de forma segura, deve ser conduzida por terapeutas habilitados.

Existe a hipnose tradicional, que faz uso de técnicas para induzir uma pessoa a agir de determinada forma ou seguir alguma ordem. Nesse caso, é como se o hipnotizador tivesse um controle sobre a mente do paciente.

Esse tipo de hipnose se vale de comandos sugestivos, como “faça isso” ou “visualize aquilo”, para acessar o inconsciente.  É uma técnica generalizada, podendo ser aplicada do mesmo modo em qualquer paciente — ou seja, não considera as particularidades de cada um.

Já a hipnose ericksoniana, de que vamos tratar com mais detalhes, considera cada paciente como um ser único. Acompanhe a seguir as especificidades dessa hipnose e como ela pode ser eficaz na terapia de regressão.

O que é a hipnose ericksoniana?

A hipnose ericksoniana foi desenvolvida pelo psicoterapeuta americano Milton Hyland Erickson (1901-1980), referência principal quando se trata de hipnose médica moderna. Ele propôs uma hipnose diferente, que valoriza a particularidades e participação do paciente, alcançando, assim, melhores resultados.

Erickson foi psiquiatra e se especializou em hipnose clínica e terapia familiar. Foi um dos fundadores da Sociedade Americana de Hipnose Clínica, em 1957, e criou ainda o American Journal of Clinical Hypnosis (Revista Americana de Hipnose Clínica).

A hipnose ericksoniana, portanto, tem embasamento científico e pode ser utilizada na terapia de regressão porque permite ao paciente acessar essas experiências “trancadas” no inconsciente de forma eficaz, levando em conta a linguagem de cada um.

Para Erickson, os indivíduos possuem muito bem guardados todos os recursos das soluções de seus conflitos. O terapeuta que utiliza a hipnose ericksoniana faz, na verdade, a ponte entre o paciente e todo esse “arsenal” guardado no inconsciente.

Podemos dizer que o paciente, guiado pelo terapeuta, consegue voltar a atenção a si mesmo, descobrindo a solução para seus próprios conflitos.

Por que a hipnose ericksoniana é eficaz na regressão?

Cada paciente é único na hipnose ericksoniana e, por isso, o terapeuta tem uma flexibilidade na condução da terapia. Ele deve levar em conta os valores, crenças e linguagem do paciente, estabelecendo uma sintonia com ele por meio de uma comunicação familiar ao inconsciente.

Aliás, esse é um diferencial da hipnose de Erickson: trabalhar com uma linguagem de metáforas e imaginação para chegar ao inconsciente. Seu método se vale de histórias e até piadas, ou seja, sugestões indiretas para acessar o estado mais profundo da mente.

Essa forma de abordagem torna o paciente mais receptivo e tranquilo, contribuindo para o sucesso da terapia. A sessão vai ainda além da linguagem verbal, ou seja, o terapeuta fica atento aos sinais não verbais do paciente, como postura, reações e expressões faciais por exemplo.

Metáfora de cura

A terapia de regressão vai ajudar o paciente a resgatar os fatos do passado e a criar possibilidades para que ele reestruture essas vivências que estão causando sofrimento e, assim, consiga traçar um novo caminho para a cura.

Por isso, na hipnose ericksoniana, a terapia de vidas passadas é uma metáfora de cura. Dessa forma, como dissemos anteriormente, não importa se o paciente acredita em vidas passadas ou se essas vivências do passado são frutos da sua imaginação: isso será interpretado como metáfora para a cura no presente.

A hipnose, nessa situação, guia o paciente para que ele reestruture tudo o que aconteceu no passado, transformando essas experiências em algo positivo para sua vida dali em diante.

Para Milton Hyland Erickson, todos os indivíduos possuem os recursos necessários para a superação de seus próprios conflitos.  Ele partia da premissa de que o problema está “dentro” do paciente, e não “fora”. A partir dessa filosofia, é possível afirmar que a hipnose ericksoniana traz bons resultados na terapia de regressão.

Quais são as técnicas de indução desse método?

Para levar o paciente ao encontro de experiências do seu passado, tão bem guardadas no inconsciente, o terapeuta precisa utilizar técnicas de indução para que essa pessoa entre em um estado altamente focado de atenção. Essa indução ocorre por meio da hipnose.

Mas pode não ser tão simples assim induzir o estado de consciência de uma pessoa. Primeiramente, porque a pessoa deve estar aberta e querer acessar um nível mais profundo de sua mente. Dessa forma, é um pouco difícil induzir apenas com ordens comuns, como “pense isso”, “imagine aquilo” etc.

Ao contrário da hipnose tradicional, que se vale desses comandos fixos para induzir a atenção do paciente a um nível mais profundo da mente, a hipnose ericksoniana utiliza métodos personalizados, voltados para cada indivíduo.

Como mencionamos, o hipnoterapeuta ericksoniano apenas guia o paciente, considerando sua personalidade e reações, além de fazer uso de sugestões indiretas como metáforas, histórias e trocadilhos para que ele volte a atenção para si mesmo. Pode-se dizer, portanto, que paciente e terapeuta trabalham em conjunto, num processo de co-criação.

Contar histórias

A técnica de indução de contar histórias é um bom caminho na terapia de regressão de memórias, porque tem tudo a ver com a natureza humana: contar histórias faz parte da nossa vida desde a infância.

Contar histórias está na nossa cultura, no nosso modo de aprender e na transmissão de valores a nossos descendentes. Livros e filmes fascinam pessoas de todas as idades simplesmente por contar histórias. Com histórias, despertamos emoções!

Dessa forma, utilizar histórias na hipnose ericksoniana permite ao paciente trazer novos significados a experiências do passado, sendo, portanto, um método eficiente na terapia de regressão.

Mas o terapeuta não vai se valer de qualquer história na hipnose ericksoniana. Seguindo as premissas de Erickson, são histórias que vão conseguir acessar a mente inconsciente, levando em conta a individualidade do paciente.

Hipnoterapia conversacional

E se a regressão acontecer por meio de uma simples conversa entre hipnoterapeuta e paciente?

A hipnose ericksoniana pode se valer de uma simples conversa para ajudar o paciente a se conectar ao inconsciente. É a chamada hipnoterapia conversacional, utilizada por Erickson na maioria de suas sessões.

Com a conversa, o terapeuta conduz o paciente, observando suas respostas, reações e comportamentos, e consegue levar sua atenção a um nível mais profundo da mente.

No caso da terapia da regressão, a conversa consegue acessar experiências passadas que foram apagadas da memória e que podem ser as responsáveis por limitações no presente.

Se você ainda tem dúvidas das vantagens da abordagem ericksoniana na terapia de regressão, saiba que:

  • os resultados são rápidos (psicoterapia breve) — importante para quem tem urgência na resolução de algum conflito interno;
  • o paciente não cria vínculo de dependência com o seu terapeuta;
  • para cada paciente, o terapeuta direciona um tratamento específico;
  • é possível se livrar de medos, fobias, traumas e outras dificuldades sem o uso de remédios;
  • permite vida nova, já que a técnica faz uma limpeza de recordações negativas de nosso cérebro.

Além da superação de problemas, fobias e traumas, a terapia de regressão de memórias pode levar os indivíduos a descobrirem talentos e potencialidades, transformando suas vidas. Por isso, a hipnose ericksoniana vem sendo adotada em processos de coaching, despertando lideranças e estratégias de sucesso profissional.

Nesse artigo, nosso intuito foi desmistificar a terapia de vidas passadas, ou regressão, mostrando que essa pode ser uma forma de resolver problemas no presente por meio do autoconhecimento.

Conseguir levar a atenção do indivíduo a fatos que aconteceram na infância, por exemplo, pode trazer uma verdadeira transformação em sua vida pessoal e profissional. Como já explicamos, a filosofia de Erickson diz que todas as soluções estão dentro de cada um.

Procuramos enfatizar, ainda, que a hipnose ericksoniana pode ser a mais indicada entre as ferramentas para a terapia de regressão, visto que deixa o paciente mais confortável e aberto para levar sua atenção a um estado mais profundo da mente. 

No Brasil, o ACT Institute, do grupo The Global Institute for Trauma Resolution, organização criada por Stephen Paul Adler (Ph.D. em Psicologia e Pós-doutor em Estresse pós-traumático) é a principal referência na hipnose ericksoniana.

A terapia de regressão de memória, ou terapia de vidas passadas, pode contribuir significativamente para a resolução de problemas emocionais, sendo uma forma segura de terapia — desde que executada por profissionais habilitados, como hipnoterapeutas credenciados na técnica ericksoniana.

Nosso conteúdo sobre terapia de regressão esclareceu todas as suas dúvidas sobre esse assunto? Fique por dentro e receba em primeira mão outros temas relacionados à hipnose ericksoniana, assinando nossa newsletter!