É muito comum que as pessoas deixem para depois tarefas que poderiam ser cumpridas no momento em que elas foram designadas. Mas, adiar prazos e esperar até o último instante para fazer algo são hábitos que devem ser analisados com cautela.

Isso porque, quando esse hábito se torna recorrente, é um indício de procrastinação, um problema que se não for combatido pode trazer consequências negativas para a vida pessoal, profissional e para o desenvolvimento individual.

Para entender melhor o que é a procrastinação, neste artigo vamos apresentar o conceito e trazer dicas de como combatê-la, além de apresentar alguns tratamentos para ajudar a vencer a mania de procrastinar. Acompanhe!

O que é a procrastinação

A procrastinação consiste no hábito de deixar tarefas ou decisões para depois. Porém, é adiado apenas aquilo que exige um comprometimento maior: os deveres, as decisões complexas e as atividades que não geram prazer ou não trazem benefícios imediatos.

Ou seja, procrastinar nada mais é do que evitar ao máximo a responsabilidade, a pressão e o peso emocional e psicológico que algumas situações, tarefas e compromissos provocam na pessoa. Ninguém procrastina atividades prazerosas.

Assim, a procrastinação somente acontece quando o indivíduo sente medo, insegurança, ansiedade, falta de confiança e tem incertezas sobre o que precisa fazer. É possível classificar esse hábito como uma forma de autoproteção, mas que se não for tratado, traz prejuízos.

Isso acontece porque quem procrastina acaba deixando de cumprir obrigações e tarefas importantes para ter como prioridade aquelas de menor importância. Sendo assim, o indivíduo acaba perdendo prazos e compromissos, ficando sobrecarregado e estressado.

Com isso, há um aumento da ansiedade e esse comportamento ainda pode acarretar o desenvolvimento de outros problemas e distúrbios emocionais e psicológicos.

Como combater o problema

A procrastinação é um hábito que é adquirido ao longo da vida e, com o tempo, se torna um vício. Ela pode começar na infância ou ser desencadeada por um fator externo, como um trauma, por exemplo.

Porém, independentemente da causa, ela pode ser combatida pois trata-se de um problema comportamental. Assim, ao alterar a postura e os hábitos, é possível iniciar essa mudança.

Confira a seguir algumas dicas que ajudam a vencer a procrastinação:

1. Manter a organização

A falta de organização pode inibir quem sofre com a procrastinação de realizar suas tarefas porque, muitas vezes, a pessoa nem mesmo sabe por onde começar. Por isso, a primeira coisa a ser feita para vencer o hábito de procrastinar é se organizar.

A organização deve estar no ambiente e nas tarefas a serem cumpridas. Um espaço organizado permite localizar com mais facilidade aquilo que é preciso, além de evitar o estresse e o cansaço mental.

Já a organização das tarefas permite ter sob controle os prazos de tudo aquilo que precisa ser feito. Para isso, basta organizar uma agenda ou um checklist que apresente o que é mais urgente sempre em primeiro plano.

Dessa forma, nada fica esquecido e os prazos não se apertam, porque não existe o risco de colocar uma tarefa com prazo maior à frente daquela com mais urgência.

2. Analisar pontos positivos

Não conseguir enxergar os benefícios do que tem que ser feito é uma grande brecha para a procrastinação. Por isso, é importante que os pontos positivos daquilo que se costuma procrastinar sejam analisados. Assim, haverá o estímulo para cumprir a tarefa, mesmo que suas vantagens venham somente a longo prazo.

Por exemplo, redigir um relatório pode ser tedioso, mas será ainda mais se tiver que ser feito na última hora do último dia do expediente. Então, é melhor que seja feito na hora para que a pessoa possa ficar livre disso depois.

3. Dar recompensas a si mesmo

Muitas tarefas a serem cumpridas podem desestimular o indivíduo, que se vê atarefado e não terá tempo para mais nada. Nesse caso, é preciso algo que o estimule a começar e pequenas recompensas podem fazer a diferença.

Para cada tarefa encerrada é interessante se dar um presente, que pode ser um tempo de descanso, alguns minutos nas redes sociais, ouvir música ou tomar um cafezinho, por exemplo. Vale pensar em algo que pode ser feito em poucos minutos, mas que tire o foco da responsabilidade e ajude a relaxar.

4. Exercitar a autoconfiança

O medo do fracasso, das decisões erradas, das falhas e do julgamento também pode levar à procrastinação. Por isso, é importante exercitar a autoconfiança e também a autoestima para se sentir capaz e competente.

É preciso evitar o excesso de autocrítica e começar a analisar as próprias habilidades e qualidades. Elas devem ser o foco e servir como estímulo para que a pessoa acredite em si mesma e não se sinta insegura para cumprir tarefas que sejam desafiadoras.

5. Evitar o que estimula a procrastinação

Alguns gatilhos podem fazer com que a pessoa acabe perdendo o seu comprometimento com os compromissos e um exemplo disso são as redes sociais. O indivíduo pode deixar de realizar o seu trabalho para ficar navegando por elas.

Mesmo que as redes sejam utilizadas como recompensa ao final de cada tarefa como uma pequena pausa para fazer algo prazeroso, é necessário ter disciplina para não extrapolar no tempo e acabar atrasando as demais atividades e deveres.

Então, é preciso identificar o que ajuda a estimular esse hábito e eliminar isso. No caso das redes sociais, evitar deixá-las abertas para não acabar se sabotando é um bom começo, e isso vale para todas as outras situações.

Como tratar o vício de procrastinar

A procrastinação pode acontecer para algumas situações apenas, ou então, fazer parte da vida da pessoa, que acaba deixando para depois praticamente tudo aquilo que faz. Nesse caso, ela se caracteriza como procrastinação crônica e precisa de tratamento.

Quando o indivíduo tem sua vida afetada pelo hábito de procrastinar, ele deve procurar por ajuda especializada para conseguir identificar aquilo que o leva a esse comportamento e, então, vencer as dificuldades e barreiras.

É possível realizar alguns tratamentos para acabar com a procrastinação, como a psicoterapia, a terapia EFT (Técnicas de Libertação Emocional), a PNL (Programação Neurolinguística) e a hipnose. Em todas elas, a pessoa precisa de autoconhecimento para mudar a forma como reage às situações que a fazem procrastinar.

Ao se conhecer, ela identifica seus pontos fortes e os amplia, além de perceber seus pontos fracos e ser capaz de ofusca-los com o seu potencial. Acessando memórias e emoções diversas, a pessoa pode analisar completamente aquilo que a incomoda e bloquear tudo aquilo que for necessário. Assim, conseguirá encarar sua realidade de uma forma diferente e vencerá seus medos e inseguranças.

Já ao compreender suas emoções, o indivíduo pode descobrir como lidar com elas e fazer de suas habilidades e qualidades uma base sólida para mudar seu comportamento. Ele não somente organiza sua vida e rotina, mas sim, sua mente.

Por fim, é importante que a pessoa que convive com a procrastinação busque ajuda profissional quando o problema começar a afetar sua vida. Afinal, esse hábito pode ter causas profundas e o que alguns classificam como irresponsabilidade ou preguiça, na verdade pode ser um problema que o indivíduo não consegue vencer sozinho.

E então, agora que você já sabe o que é a procrastinação e como combater esse problema, aproveite para aprender qual a diferença entre a hipnose e a PNL e fique ainda mais informado sobre o assunto!