Se você optou por construir uma carreira na psicologia, provavelmente já sabe que a graduação foi apenas o primeiro passo. Inclusive, parece que é justamente depois dela que os maiores desafios aparecem.

Para lidar com essa situação com mais naturalidade e garantir uma formação mais completa, você precisa investir em um plano de carreira. Essa é uma forma de fazer com que você se envolva com atividades que vão além do currículo da faculdade, suprindo as necessidades do mercado e promovendo uma realização maior.

E aí, você se identificou com a situação e quer saber mais sobre o assunto? Então você está no lugar certo. Leia hoje a postagem mais completa sobre o plano de carreira em psicologia!

Por que fazer um plano de carreira em psicologia?

Antes de entrar na graduação, muitos estudantes do ensino médio ficam ponderando sobre qual será a média salarial que eles terão na sua vida. No caso dos alunos de psicologia, não é diferente. É comum que os estudantes avaliem quanto ganharão trabalhando no RH de empresas, tendo o próprio consultório ou atuando em outras áreas.

Se você já formou, então provavelmente percebeu que essas questões duram mais tempo que o esperado e normalmente continuam existindo mesmo quando se está com o diploma em mãos.

Muitas pessoas ficam profissionalmente desorientadas, principalmente quando chegam ao último ano da faculdade. O medo do futuro e das oportunidades profissionais começa a atemorizar, já que elas deixam de ser estudantes e entram de vez no mercado de trabalho como profissionais.

É justamente aí que um plano de carreira entra. Ele pode reduzir a ansiedade e fazer com que você saiba que é o verdadeiro protagonista desse momento, tomando as atitudes certas para chegar aonde você quer.

A carreira

Muitos de nós crescemos ouvindo uma descrição da carreira perfeita para nós, com uma trajetória profissional já traçada: começamos como estagiário, passando para assistente, analista, coordenador, gerente e diretor.

Entretanto, acreditar que esse é o único caminho é um engano! Se essa era a estrutura de algum tempo atrás, hoje não é mais assim e você tem opções bem mais amplas para explorar. No caso da psicologia não é diferente e você tem à disposição muitas oportunidades.

Além disso, vale lembrar que você é o verdadeiro dono do caminho que vai seguir, não outras pessoas. Você pode criar estratégias e traçar caminhos que acelerem o o processo e te levem para onde quer chegar. É isso que o plano de carreira pode fazer por você.

O desenvolvimento de um plano

Agora que você já sabe como esse planejamento é importante para sua carreira, deve estar se perguntando como fazer isso, certo? Veja alguns passos que podem auxiliar você nessa trajetória definidora da sua realização, tanto pessoal como profissional:

Invista no autoconhecimento

Como aluno de psicologia, é bem provável que você tenha ouvido bastante esta palavra durante a faculdade: autoconhecimento. Muitos dos profissionais dessa área ajudam os outros a encontrarem seu caminhos e direcionarem suas carreiras, mas isso normalmente fica em segundo na hora de aplicar na sua própria vida. É aquela velha história: “casa de ferreiro, espeto de pau”.

Para começar, investigue as situações que te causam mais inquietude, examinando e tentando lidar com cada uma delas. Você pode descobrir que é área de atuação vai querer seguir, o medo de não conseguir um emprego ou ainda de ter um salário ruim, por exemplo.

Trace seus objetivos e estratégias

Um plano de carreira eficaz envolve uma definição detalhada dos seus objetivos. Considere as esferas pessoais e profissionais e reflita onde você quer estar e o que quer ter conquistado daqui 5, 10 e 15 anos (ou, caso prefira, em um espaço de tempo até maior).

Depois de saber quais são suas metas, fica mais fácil descobrir que tipos de ferramentas deve utilizar para alcançar uma promoção no trabalho, um novo emprego ou qualquer outro ponto que seja seu objetivo.

Quanto às estratégias, o grande segredo é pensar em quais tipos de atitudes você tem tomado que te aproximam do seu sonho ou objetivo, ou ainda o que falta e você precisa desenvolver. Essas são ótimas maneiras de saber como guiar esse aspecto tão importante da sua vida que é a sua carreira.

Se você ainda ficou em dúvida sobre o que isso implica e que tipo de atitude deve tomar, considere uma pós-graduação, o desenvolvimento de uma habilidade específica ou até mesmo uma nova língua. Essas ações abrem muitas portas!

Depois de mapear o que você pode chegar para alcançar seus objetivos, mãos à obra!

Coloque tudo no papel

Listar seu plano de carreira no papel é um ponto importantíssimo para conseguir gerenciar tudo com mais facilidade. Assim, de tempos em tempos você consegue ler e atualizar onde você quer chegar, mesmo quando o período é mais difícil.

Coloque seus objetivos por escrito de forma bem específica e liste, junto com isso, algumas competências que você já tem e poderiam ser usadas. Em seguida, anote também aquelas que precisa desenvolver. Aqui valem tanto as competências técnicas quanto as comportamentais.

Depois, é só colocar as ações que você deve tomar para completar tudo dentro do prazo que você estabeleceu para gerir sua carreira.

Tenha inspirações

Profissionais bem-sucedidos na sua área e o que eles fizeram para chegar lá também podem ser ótimos modelos de inspiração, impulsionando você a sonhar grande e chegar onde quiser. Portanto, procure saber um pouco mais sobre eles e aprenda com o relato de cada um.

Os 10 principais desafios da profissão

Atuar em uma profissão que você goste é um privilégio. Ainda assim, mesmo gostando muito do ramo da psicologia, isso não significa que ela não tenha certos desafios, concorda? Nada é tão fácil como parece, ainda mais nos dias atuais.

Convenhamos: crise é a palavra da moda e nada é fácil de se conquistar em um país desaquecido e com a economia retraída. Isso significa que as pessoas estão cada vez mais seletivas com seus gastos e, mesmo que a consulta psicológica seja importantíssima, alguns ainda não levam esse aspecto tão a sério quanto deveriam.

Conheça alguns dos desafios que você pode enfrentar:

1. Ser um bom psicólogo, mas ter poucos pacientes

Existem profissionais formados, com pós-graduação e até mesmo outras titulações (como mestrado ou doutorado) e que têm poucos pacientes no consultório. Por incrível que pareça, isso acontece com mais frequência do que gostaríamos.

Trabalhar como profissional liberal tem seus desafios e as titulações não são determinantes na hora de atrair os pacientes, já que eles consideram muito mais a sua reputação no mercado do que aquela última especialização que você completou.

2. Não saber como lidar com um paciente

Lidar com seus pacientes é um ponto fundamental para ter uma rede de contatos sólida. Sua reputação está em constante construção e tem uma relação direta com a forma como você trata seus pacientes e os resultados que eles percebem.

Isso significa que garantir um bom posicionamento de mercado é fundamental. Você deve saber a hora de ouvir e a hora de falar, investindo também em um marketing consistente para que seu paciente perceba o serviço que você oferece e veja valor nisso.

Além disso, fique sempre disponível para o atendimento e não vá embora antes do fim da sessão em casos de atraso. Entenda que o paciente é prioridade e merece toda a sua atenção. Não estar disponível ou ir embora caso ele atrase pode pegar muito mal e fazer até com que ele desanime do tratamento.

3. Vivenciar limitações da clínica ou local que atua

Muitos dos psicólogos recém-formados começam a trabalhar em uma clínica ou espaço já existente. Por melhor que seja, esse formato pode limitar um pouco a sua atuação, combinando dias e horários específicos para o atendimento.

Além disso, a distância do consultório pode desestimular quem mora longe, principalmente se você atua em uma das grandes cidades brasileiras, com centenas de opções de clínicas.

Por isso, é bom tomar cuidado e aprender a lidar com essas possibilidades. Considere as limitações e tente expandir seu atendimento de diversas formas.

4. Dificuldades para conciliar a vida pessoal com a profissional

Ser um profissional liberal pode ser mais difícil que parece. É claro que não é de todo ruim e a maioria das pessoas adora, mas pode ser que um paciente queira ser atendido de 20h às 21h. Por mais tarde que isso pareça, é bastante comum profissionais que façam atendimentos nesses horários.

Entretanto, como você deve imaginar, esse é um dos percalços que dificulta equilibrar a vida pessoal e profissional. Pode ser que a crescente demanda dos seus pacientes invada um pouco a sua vida.

Com o passar do tempo, você vai precisar aprender a se organizar de forma mais consistente e equilibrar as diversas esferas da sua vida. Assim, você vive melhor e consegue dar atenção para as duas áreas.

5. A busca por certificações

Assim como a maioria das graduações existentes hoje em dia (para não dizer todas), os 4 ou 5 anos de estudo na faculdade não são o bastante para te ensinar tudo o que você precisa saber. Para atuar de forma ainda mais completa, as pós-graduações e cursos de especializações ajudam muito e se tornam cada vez mais imprescindíveis.

Essas certificações são, sim, muito importantes e podem trazer mais credibilidade para o seu trabalho, mas é muito importante saber o que buscar e como esses títulos influenciam na sua carreira. É aí que o plano de carreira se mostra mais uma vez eficiente, pois ele consegue ajudar a direcionar você.

6. Estabelecer uma boa saúde financeira

Saber sobre empreendedorismo e marketing é fundamental para fazer com que sua profissão e seu consultório sejam economicamente saudáveis. Assim, você será capaz de gerir custos, receitas e investimentos de maneira a sempre manter as contas em dia.

Equilibrando o conhecimento técnico com as noções de mercado, você vai conseguir movimentar sua clínica e equilibrar as finanças com mais facilidade.

7. Não variar seus serviços

Esse é outro ponto muito comum: é cada vez mais fácil encontrar psicólogos que atuam em somente uma área. É claro que isso pode ser muito bom por um lado, já que você se torna um verdadeiro especialista, mas muito limitador por outro.

Então, o melhor caminho a seguir é a variabilidade dos serviços de atendimento que você oferece. Assim você corre menos risco de ficar sem pacientes ou de sentir a crise, pois você movimenta seu consultório de forma diferente.

Além disso, você pode pensar ainda mais fora da caixa. Se você gosta de atuar ajudando casais com problemas nos relacionamentos e promovendo um estilo de vida mais saudável, você pode prestar serviços além do atendimento clínico. Não acredita?

Pense que pode dar palestras e workshops sobre as dificuldades do relacionamento, levantando dicas para casais que querem melhorar sua forma de se relacionar. E não é só isso: ainda pode investir em cursos online, na escrita de um livro ou vários outros caminhos — tudo isso dentro do assunto de que você gosta.

Os diferentes “formatos” podem atrair outras pessoas e educar a população a cuidar das emoções e dos relacionamentos de forma mais contundente. Além disso, essa é a uma forma de fortalecer seu nome no mercado, oferecer diferentes preços e aumentar sua receita. Ótimas vantagens, não é?

8. Não ter contato com outros psicólogos

É comum ver psicólogos que começam a desenvolver suas funções com muita empolgação e expectativas. Entretanto, se você não der atenção aos pontos, pode acabar se frustrando. Uma boa maneira de combater isso é mantendo contato com outros psicólogos.

Seja nas conversas informais ou nos mais diversos congressos existentes, trabalhe seu networking e esteja sempre conectado aos seus colegas de profissão. Além de ficar sabendo de outras novidades e tendências da área, vocês também podem indicar um ao outro — afinal, um psicólogo não pode atender as pessoas próximas de si, precisando sempre indicar alguém.

9. Cuidar da imagem profissional

Nós já falamos nessa postagem sobre a importância da reputação e sobre como alguns psicólogos não dão a atenção que ela merece. Esteja sempre atento à imagem que você passa e à percepção que as pessoas têm de você.

Mostre-se um profissional atualizado e que pode oferecer um trabalho de qualidade a um preço justo, que valorize a sua experiência e formação.

Além disso, tenha cuidado com o uso das redes sociais e evite expor sua vida em excesso. Você corre o risco de ser mal interpretado tanto pelos seus atuais pacientes como por pessoas que poderiam vir a ser atendidas por você no futuro.

10. Não saber como divulgar o trabalho

O marketing é a alma de qualquer negócio — e não seria diferente no caso da psicologia. Divulgue seu nome, seu trabalho, suas pesquisas e artigos em feira e onde mais puder. Além disso, não se esqueça de ter seu cartão de visitas sempre à mão, distribuindo-o com frequência para os amigos e familiares.

Acredite: essa atitude pode soar simplória e despretensiosa, mas pode te render muitos pacientes.

O caminho das especializações

Como já falamos, as especializações são muito importante e podem ser uma ótima maneira de vencer os muitos desafios com que você vai se deparar ao longo da sua jornada profissional.

A graduação é um ótimo primeiro passo, mas você não deve ficar acomodado e sim continuar aprendendo e se desenvolvendo como profissional e pessoa. Portanto, conheça alguns caminhos que você pode seguir na profissão.

Hipnoterapia

A hipnoterapia, como o próprio nome indica, é um trabalho terapêutico que acontece por meio da hipnose. Com as técnicas certas e o acompanhamento ideal, fica mais fácil fazer com que o indivíduo busque dentro dele mesmo a causa dos seus traumas e problemas e as soluções para eles.

Nesse caso, o método não é tão restritivo e pode contar com várias técnicas diferentes. Ainda assim, de um modo geral, o funcionamento é o mesmo: enquanto está em transe hipnótico, o paciente consegue liberar pensamentos e aprender muito com eles.

Assim fica mais fácil regredir a momentos passados para entender e reviver certas situações, esquecer outros momentos vivenciar mais uma vez experiências importantes da sua vida.

Coaching

O coaching ganhou muita força nos últimos anos e se tornou uma ótima alternativa para diversos profissionais da área. Nesse caso, o psicólogo é acionado para ajudar os pacientes no desenvolvimento de carreira ou nas questões pessoais.

Na modalidade de coaching profissional, o psicólogo formado ajuda no desenvolvimento de habilidades comportamentais que fazem toda a diferença no mercado de trabalho. Os conhecimentos aprendidos na graduação dão um excelente suporte para essa área de atuação.

Por meio de um acompanhamento próximo e completo, fica mais fácil entender os desejos e pretensões de cada um, ajudando-os a perceber o que querem alcançar e o que precisam fazer para isso. O suporte pode ajudar o paciente a ter um enfoque maior no alcance de objetivos e acelerar sua produtividade, o que é ótimo.

Já o coaching pessoal tem um perfil e foco um pouco diferentes. Como você deve imaginar, ele desenvolve a autonomia e o relacionamento interpessoal, fortalecendo fatores como a inteligência emocional, comunicação, equilíbrio e liderança.

Terapias breves

As terapias breves também representam uma vertente que tem ganhado muita força. Esse é um estilo que foi desenvolvido para situações mais específicas. O principal objetivo é promover um alívio e libertação para um sofrimento específico, intervindo de forma direta nos sintomas e de forma mais superficial na análise.

Essa é uma maneira de mudar o comportamento por um breve período de tempo. Para você ter uma noção como ela realmente é rápida, todo o tratamento acontece entre 1 e 12 sessões, sempre com o objetivo de intervir e trazer mais leveza para a vida do paciente.

O tratamento pode ser indicado em situações emergenciais, como em caso de catástrofes, a perda de alguém especial, uma guerra ou ainda a descoberta de uma doença grave. Essas situações costumam causar muita dor, mas que está limitada a um contexto temporal.

Vale lembrar que, por mais que ajude, a terapia breve pode ser insuficiente para mudar a cadeia comportamental. Por isso, é importante prosseguir com um tratamento depois desse primeiro contato, pois os sintomas crônicos podem continuar se desenvolvendo.

Atuação nos setores de RH

Muitos profissionais formados também deixaram de lado a opção de atuar em consultório e aliaram-se a empresas e organizações para trabalhar no setor de Recursos Humanos. Eles podem se envolver nas mais diversas áreas, indo desde o recrutamento e seleção de candidatos até no desenvolvimento de carreiras e melhorias de clima para a organização.

Entretanto, para atuar nesse mundo tão particular, é muito importante que eles também se especializem. Existem muitas opções no mercado focadas em terapias cognitivas e comportamentais que podem ajudar muito.

Neuropsicologia

Esse é outro caminho muito promissor. A neuropsicologia estuda as relações entre o cérebro e o comportamento humano, fazendo a interface a psicologia e a neurologia e analisando possíveis lesões cerebrais que causam muitos déficits em várias áreas.

Para isso, o primeiro passo é uma avaliação neuropsicológica. Assim fica mais fácil identificar as lesões e perceber os efeitos cognitivos e comportamentais causados por possíveis desordens. A área é um pouco mais complexa, mas traz ótimos resultados.

Vale lembrar que as possibilidades de atuação e especialização não devem se resumir à academia. Um ótimo exemplo disso é o ACT Institute Education, uma plataforma multimídia com muitos treinamentos e capacitações para quem quer aprender.

Por meio de áudios e vídeos, fica bem mais fácil acompanhar uma formação internacional de qualidade. E o melhor: você pode acessar em qualquer lugar! Assim, você garante a capacitação de que tanto precisa de forma mais fácil e cômoda, podendo ser na sua própria casa.

Como você pôde perceber, existem muitos desafios, mas a área de psicologia segue sendo muito promissora. Com um plano de carreira em psicologia bem elaborado e eficiente, você consegue se programar melhor e chegar onde sempre sonhou no ramo profissional.

Não deixe de continuar se preparando por meio de uma capacitação contínua e colha os frutos desse preparo com o passar dos anos. Assim você se aprofunda na teoria e conhece técnicas e procedimentos da área, tornando-se um profissional mais preparado.

Gostou deste conteúdo? Então não deixe de compartilhá-lo nas redes sociais!