Uma situação sensível, o hábito de automutilação é sério e deve ser tratado de forma delicada e profissional. Antes de qualquer coisa, é importante entender que acima de saber o que dizer você precisa encontrar o momento ideal para fazer esse tipo de abordagem. Se você é um profissional da área que quer entender qual a melhor forma de abordar esse problema, aqui vão algumas dicas.

 

“Estou preocupado pois me importo com você”

  • Facebook
  • Twitter
  • Google+
  • LinkedIn

 

A primeira atitude que você pode ter, é mostrar que essa pessoa está em um ambiente seguro, amável e livre de julgamento. Deixar claro que você tem cuidado com a pessoa que possui o hábito de automutilação, é o primeiro passo para que ela se sinta confortável à abordar o assunto.

 

Conversar com o paciente sobre o hábito de automutilação é extremamente importante. Segundo Pamela Cantor, psicóloga de desenvolvimento e ex-presidente da Associação Americana de Suicidologia, “Isso pode liberar o que pode ter sido um segredo assustador”.

 

Dentro da abordagem ericksoniana chamamos este ambiente seguro de campo transformacional, uma forma de transmitir segurança e liberdade entre o profissional e o paciente. É uma técnica inteligente para que a liberdade de abordar o assunto se instale antes do que o “normal”.

 

“O que está causando vontade de se machucar?”

  • Facebook
  • Twitter
  • Google+
  • LinkedIn

Quando seu paciente apresentar maior liberdade sobre o assunto, tente de forma gentil descobrir qual a razão ou motivo que têm desencadeado o hábito de automutilação.

 

Sabemos que a automutilação é uma questão complexa que muitas vezes vem com outros problemas de saúde comportamental e mental, como o uso de substâncias perigosas e depressão, por este motivo é fundamental entender o que está acontecendo com seu paciente e assim encontrar uma solução mais assertiva à situação.

 

“Eu posso e farei tudo que consigo para te ajudar”

  • Facebook
  • Twitter
  • Google+
  • LinkedIn

O auxílio profissional é fundamental e o paciente que conseguiu chegar até você precisa estar totalmente consciente de que ele está em um ambiente capacitado e protegido.

 

Oferecer maior variedade de tratamento para quem sofre com transtornos psicológicos é uma excelente maneira de mostrar que você conseguirá ajudar seu paciente de qualquer forma, e de preferência uma que este se sinta confortável.

 

Existem diversas maneiras de tratar pessoas que apresentam o hábito de automutilação, o transe conversacional é um deles, assim como a hipnoterapia.

 

Frequentemente pacientes se sentem mais seguros com profissionais que oferecem outras alternativas de tratamento, a abordagem ericksoniana é um deles, conheça mais sobre esse método aqui: o poder da comunicação com a mente inconsciente!

 

Até a próxima,
ACT Institute.