Você já ouviu falar sobre Psicologia Pré e Perinatal? Esta nomenclatura denomina uma área da psicologia que há mais de três décadas estuda o comportamento e o desenvolvimento evolutivo e psico-afetivo-emocional do indivíduo, desde o período de concepção até, aproximadamente, 2 anos de idade.

A Psicologia Pré e Perinatal não caracteriza-se como área isolada, mas sim como parte de um sistema integrado de conhecimento. Os resultados obtidos por esta linha de estudo são informações importantes que podem ser aplicadas como parâmetros para a Psicanálise e a Psicologia, em geral, ou como complemento para técnicas diversas, tais como Hipnose Ericksoniana e Coaching.

O sistema integrado de conhecimento que relatou-se no parágrafo anterior também é o responsável pela evolução dos estudos focados no período pré e perinatal. Este avanço deve-se em parte à modernização da tecnológica e ao conhecimento de diferentes áreas adquirido no decorrer dos anos. A utilização do ultrassom nos exames pré-natais, o aprimoramento do microscópio eletrônico e a fecundação in vitro são alguns exemplos de interferências externas que auxiliaram no desenvolvimento deste aspecto da psicologia.

A relação entre Psicologia Pré e Perinatal e o feto

A gravidez é algo importante. É o ponto crucial que estimula todos os envolvidos, desde pais a parentes, a mudar e, com certeza, os nove meses gestacionais será o período de maior impacto e de transformações sem iguais. E, segundo as descobertas da Psicologia Pré e Perinatal, esse processo transformacional também afetará a criança.

A Psicologia Pré e Perinatal compreende o feto como um todo; como um ser que está se desenvolvendo fisicamente, que possui vida mental e a capacidade de armazenar experiências intra e extrauterinas, sejam elas traumáticas ou não. Por isso, para essa área de estudo, três fatores relevantes são levados em consideração:

  • todo feto possui a capacidade de transformar experiências em “memórias”;

  • este registro é arquivado na mente inconsciente do feto, mesmo que ela ainda esteja em desenvolvimento;

  • todos esses registros farão parte de sua bagagem inconsciente para o resto da vida do ser e exercerão influência sobre a sua personalidade, sobre sua conduta e sobre seu comportamento.

A partir da Psicologia Pré e Perinatal é possível afirmar que não é somente o corpo do feto que evolui durante a gravidez; a personalidade, a inteligência e os traumas também estão em desenvolvimento. É a experiência pré-natal que definirá os parâmetros que influenciarão o futuro do ser em crescimento, já que o feto compartilha com a mãe os sentimentos e humores desde o primeiro momento.

Não é incomum encontrar casos de trauma, fobias, medos, entre outras coisas, que são difíceis de obter uma resposta positiva ao tratamento. Por vezes, a raiz destas questões não está em experiências vivenciadas no agora, mas, sim, em questões que foram registradas ainda no útero.

Infelizmente, esta é uma área pouco divulgada para a população brasileira. Imagine quantas pessoas olhariam para a gravidez como um momento mais importante do que já é, se a elas fosse fornecida uma pequena parte de informação sobre a Psicologia Pré e Perinatal. Por isso, torna-se importante divulgar cada vez mais esta área em solo brasileiro, para que todos possamos usufruir das inúmeras possibilidades de tratamento que ela oferece.