Milton Erickson traz um modelo de ser humano diferente das perspectivas que vinham estudando o inconsciente, que antes era tratado como caldeirão de pulsões instintivas que se chocavam com os valores culturais e que parte da função da consciência era administrar esse conflito. Erickson vê o inconsciente como uma fonte de crescimento e integração, ele tem a percepção de que o inconsciente tem uma dinâmica que constantemente convida ao processo do amadurecimento interior, integração psicológica e de cura.     

O paciente já não é alguém que precisa ser consertado, mas sim alguém que possui uma riqueza muito grande e que parte do seu processo de cura está em ampliar a conexão consigo mesmo, para que ele possa acessar essa autoridade no seu processo de crescimento e possa construir uma percepção diferente em relação a si mesmo.

A relação terapêutica sofre mudanças, porque em muitas terapias psicológicas o poder está nas mãos do terapeuta. Erickson muda essa relação de poder, se a autoridade está no mundo interno do paciente, então o processo de cura está em criar as condições favoráveis para que durante a jornada terapêutica possamos dar espaço a bússola interior do paciente. 

Na visão ericksoniana, o terapeuta sai da posição de ser a autoridade terapêutica, para ocupar o papel de facilitador, visando auxiliar o paciente a se conectar com a verdadeira autoridade de seu processo de cura, que é sua mente inconsciente.

A hipnose ericksoniana aumenta o empoderamento do paciente, pois diminui a dependência do cliente ao hipnoterapeuta, favorecendo que na medida em que ele vai estreitando a relação com a própria bússola interna, aprenda a organizar os processos internos que mantém seu desenvolvimento, equilíbrio interior e cura. 

O começo

Milton Hyland Erickson foi um psiquiatra norte-americano especializado em hipnose médica e terapia familiar. Fundador da Sociedade Americana para Hipnose Clínica,  desenvolveu estudos sobre a hipnose a partir da premissa de entrar em estado de transe, ao menos uma vez por dia e de forma espontânea, é natural para o ser humano. 

Aos 17 anos contraiu poliomielite e chegou a ficar tão paralisado que os médicos acreditaram que ele morreria. A paralisia sensorial o impedia de mover qualquer parte do corpo, exceto os olhos. Entediado começou a observar as pessoas ao seu redor. 

Tornou-se ciente do significado da comunicação não-verbal – linguagem corporal. Percebeu o modo como essas expressões não verbais contradiziam diretamente as verbais. 

A partir daí começou a estudar a linguagem não verbal e corporal. Com o passar do tempo percebeu que sua imaginação produzia uma resposta ao seu corpo, por essa descoberta aprendeu sozinho a andar, chamando este feito de “memórias do corpo”

Concentrando nessas memórias e usando a visualização, Erickson começou a recuperar o controle sobre seu corpo. Nos anos 20 foi estudar medicina e como especialidade escolheu a psicologia, o momento decisivo para sua futura carreira foi o encontro com o professor Clark L. Hull, especialista em hipnose, tornando ela  essencial em sua prática clínica.

 

Para ler a parte 1 clique aqui.