Em meio a tanta informação sobre como devemos nos comportar em relação à nossa saúde é difícil saber o que realmente faz bem. Algumas pessoas têm realmente péssimos hábitos alimentares, outras, acreditam que estão fazendo o correto, mas não estão. Em meio a tudo isso, se você é um coach de emagrecimento, precisa ajudar o seu coachee a mudar esses comportamentos.

 

A tarefa não é fácil, mas existem alguns pontos fundamentais para ajudá-los a alcançar o objetivo. Separamos alguns hábitos que precisam ser levados em consideração durante o processo de coaching para ajudar o seu coachee com péssimos hábitos alimentares. Acompanhe o artigo.

 

Péssimos hábitos alimentares

  • Facebook
  • Twitter
  • Google+
  • LinkedIn

Quando o assunto é o comportamento humano, entra em cena uma força realmente poderosa: a força do hábito. Os hábitos surgiram para nos ajudar. Estabelecer rotinas foi um jeito que o cérebro encontrou de economizar energia. Uma vez que você já aprendeu a fazer uma atividade, ela tende a ser cada vez menos trabalhosa, e em time que está ganhando não se mexe.

 

Só que a natureza é traiçoeira. O ser humano evoluiu, passou a viver em cidades e adquiriu hábitos que não são tão saudáveis. Na alimentação, os hábitos errados podem sabotar uma reeducação alimentar.

 

Como ajudar o coachee a mudar isso?

 

Hábitos

  • Facebook
  • Twitter
  • Google+
  • LinkedIn

É preciso focar nos bons hábitos à mesa, mas nem todos os problemas estão durante as principais refeições, podem estar entre elas. É o caso do docinho no fim da tarde, que pode ser ruim para a saúde e para o emagrecimento se for uma rotina diária. A alimentação pode ser toda saudável, mas o excesso de doces pode fazer com que que o coachee engorde.

 

Se você come um chocolate todo dia, é difícil abrir mão dele, mas você pode trocar pelo meio amargo, que tem menos açúcar. Ou quem sabe, comer uma fruta no lugar.

 

Por falar em fruta, não estamos falando sobre suco. O seu coachee não pode acreditar que tomar suco natural é melhor do que comer a fruta. Isso porque, além de ingerir mais fibras (que são praticamente eliminadas durante o processamento do alimento), a quantidade de calorias consumidas é menor, já que um copo de suco costuma levar mais de uma unidade da fruta.

 

Outra coisa importante na hora de mudar os péssimos hábitos alimentares é ir ao mercado com uma lista de compras para seguir à risca e não se desviar do caminho ou cair em tentações. É preciso colocar hábitos novos e mais saudáveis no lugar do que está fazendo mal.

 

Uma troca como essa requer coragem e atitude, mas vale a pena. Você vai abrir mão do que parece seguro, mas só saindo dessa zona de conforto é possível mudar. Os péssimos hábitos alimentares do seu coachee são praticamente um vício e a força de vontade dele também precisa se fazer presente, é claro. Para isso, você precisa mostrar que transformar o mau hábito em bom, vai fazer com que melhore a saúde, autoestima, bem-estar, qualidade de vida e também a parte estética.

 

Essas foram algumas dicas simples para que o seu coachee comece o processo de mudança. É fundamental ele compreender que substituir algo ruim por algo bom, será extremamente produtivo ao invés de simplesmente radicalizar e cortar tudo de uma vez. Ele precisa entender como esse mecanismo de substituição funciona e querer fazer parte dele.

 

Esperamos que este artigo tenha te ajudado. Continue acompanhando o nosso blog para saber mais sobre o assunto. Siga também nas redes sociais, onde postamos dicas, informações e artigos sobre qualidade de vida, saúde e bem-estar.

 

Até a próxima!

Grande abraço,

Equipe Act Institute