Exercícios exaustivos, cremes e máscaras de tratamento com cheiro forte para alisar os cabelos, tinturas repletas de química, cirurgias plásticas dolorosas, carboxiterapia, peelings, botox. Enfim, com tantas exigências do chamado mercado de beleza, cada vez mais pessoas procuram os especialistas para resolverem seus problemas de autoestima.

O mundo vive um bombardeamento diário de exigências por padrões de beleza. Mulheres e homens vaidosos, com aparências surreais são expostos em todo nosso alcance visual. Mas como não deixar essas informações atingirem seus pacientes? Como ajudá-lo a não desejar a beleza do outro?

Se você quer aprender a lidar com pacientes insatisfeitos com suas aparências, continue a leitura e confira nossas dicas para identificar e tratar esse mal.

A autoestima e o mercado de beleza

Essa característica tão perdida entre as pessoas é assunto e queixa nos principais consultórios psicológicos.

Uma autoestima equilibrada é o segredo do empoderamento pessoal, garante uma boa saúde emocional e mental, além de afetar todos os âmbitos da vida de uma pessoa positivamente. Mas quando ausente, a pessoa não se valoriza, se respeita, ama ou acredita em si mesmo.

Já na infância, por meio dos relacionamentos com pessoas mais próximas, na maneira como a criança é tratada, nos estímulos e represálias que recebe e nas experiências amorosas, essa autoestima pode ser elevada ou diminuída.

Se o seu paciente sofreu muitas frustrações, decepções, perdas ou não foi devidamente reconhecido por seus projetos, possivelmente ele apresentará problemas para se valorizar.

Caso essa seja a situação, é importante aconselhar que as velhas experiências devem ficar no passado e servir de aprendizado para o presente. Alguns sinais podem te auxiliar a reconhecer se esse inimigo que limita tanto as pessoas, atingiu seu paciente, anote aí:

  • falta de confiança em si mesmo;

  • excesso de justificativas para os seus atos;

  • acreditar que todos estão contra si e ser vítima de tudo;

  • tentar encontrar um culpado para todos acontecimentos;

  • ausência de objetivo de vida, seja no âmbito pessoal, emocional ou profissional;

  • agressividade e submissão no momento de resolver conflitos;

  • não ser ativo socialmente;

  • desvalorização pessoal;

  • sentir medo constante de reprovação;

  • se basear apenas no que dizem a seu respeito;

  • manipular as pessoas com quem se relacionam.

Quando procurado por pessoas que apresentam problemas de autoestima, o profissional deve estar ciente e:

  • encorajar o paciente a lutar contra sua insegurança e aprender a confiar em si próprio. O que não vale é desistir de auxiliá-lo a reconhecer sua própria beleza;

  • repetir que os padrões impostos pelo mercado de beleza são inalcançáveis e que, o conceito de beleza deve ser interpretado de forma individualizada, pois cada um tem o seu estilo;

  • não incentivar as mudanças que os padrões exigem, como bronzeamentos artificiais, alisamentos dos cabelos e bioplastias, e ensiná-los a valorização dos traços e características naturais.

Os fatores que desencadeiam a baixa autoestima

1. Improdutividade no trabalho

É comum alguns profissionais se sentirem inúteis ao fim da jornada de trabalho, pois não alcançaram os objetivos traçados para aquele dia ou o tempo não foi suficiente. Caso observe esse sentimento, fique atento!

2. Situações pendentes

Manter pendências não é aconselhável em qualquer questão, seja emocional, pessoal ou profissional. O essencial é resolver todos os conflitos de sua vida.

3. Falta de iniciativa

Quando se descobre um problema, o ideal é ter iniciativa para enfrentá-lo, concorda? Mas algumas pessoas apresentam dificuldades nesse quesito e sofrem por não encontrarem forças e iniciativas para resolver a questão.

A superação dos problemas de autoestima

Comparações, complexos e inseguranças são pilares desencadeadores dos principais problemas com autoestima. Medo do abandono, sentimento de carência, frustração, vergonha, inveja, timidez, raiva, dependência e críticas são fatores que também influenciam.

Aprender a lidar com essas questões é o segredo para encontrar o equilíbrio e estar sempre contente com a imagem refletida no espelho. Separamos 17 passos para  tratar esse transtorno, fique atento!

  1. elimine os pensamentos negativos e autodestrutivos! Ninguém deve focar apenas em seus erros e defeitos, altere o ponto de vista e observe mais as qualidades e acertos;

  2. a felicidade pode ser mais fácil de alcançar do que você imagina: reduza suas expectativas e pare de buscar a perfeição;

  3. estabeleça e reconheça os seus limites, pois somente assim você será capaz de mudar aquilo que não lhe faz feliz e lhe deixa satisfeito;

  4. tenha certeza de que errar faz parte do processo de aprendizagem de todas as pessoas. Aprenda com os seus erros e não se martirize tanto;

  5. descubra novos hábitos! Uma rotina com as mesmas atividades pode ser cansativa e exaltante: mude sempre que for possível;

  6. seja prestativo e ajude outras pessoas. Ser útil faz bem para você e para as outras pessoas também;

  7. pratique exercícios físicos frequentemente! São diversas atividades para você escolher, opte por aquela que mais lhe agradar, movimente o seu corpo, descanse a mente e faça as pazes consigo mesmo;

  8. não tenha medo de expressar suas opiniões e ideias. Embora as pessoas apresentem propostas diferentes, seja firme nas suas;

  9. administre o seu tempo e reserve um dia livre para passar com as pessoas que você mais ama, assim o seu dia será mais prazeroso e feliz;

  10. seja gentil com os outros para que as pessoas se aproximem mais de você;

  11. elimine de sua vida as pessoas e situações que te fazem sentir mal e para baixo;

  12. não lamente o tempo perdido! Pare de se lastimar os problemas passados e recomece sua vida agora;

  13. observe as falhas dos outros. Não acredite na felicidade perfeita das pessoas, pois ninguém é livre de defeitos e erros;

  14. não preveja ou adie os problemas. O ideal é resolver no momento em que surgirem e não deixar que paralisem;

  15. tenha sonhos e tente realizá-los com metas possíveis e alcançáveis

  16. pare de tentar agradar a todos e passe a agradar você mesmo! Não se negligencie para satisfazer as vontades e desejos dos outros;

  17. busque ajuda profissional.

Além dessas dicas, a chave para driblar os problemas de autoestima está no controle de sua mente. Confira esse outro post e descubra como a mente pode transformar todos os âmbitos da vida de uma pessoa. Boa leitura!