Você quer saber se existe alguma técnica de hipnose para saúde, que de alguma forma pode auxiliar a tratar doenças?


A resposta simples é: sim!

Dito isso, vamos primeiro falar de onde veio a palavra “hipnose”…o  termo veio do grego hipnos = sono + latim osis = ação ou processo e deve o seu nome ao médico e pesquisador britânico James Braid (1795-1860), que o introduziu por acreditar que trata-se de uma espécie de sono induzido – lembrando: Hipnos era também o nome do deus grego do sono!

Porém, pesquisas atuais, demonstram que a pessoa sob hipnose está totalmente acordada, possuindo até uma excepcional concentração e atenção.

A técnica da hipnose baseia-se na indução de letargia no paciente, para que ele fique mais receptivo aos estímulos enviados ao seu subconsciente.

Esse estado letárgico é obtido, por exemplo, quando o especialista convida o paciente a focar seu pensamento em um objeto específico, como um pêndulo ou até mesmo com um toque em sua mão ou seu ombro.

Nesse estado é possível facilitar a solução para velhos problemas registrados no subconsciente e que estavam causando determinada doença (mental ou física).

Em ambiente de consultório, num contexto de confiança e confidencialidade, o transe hipnótico é induzido pelo terapeuta, levando a pessoa à uma concentração profunda no que está para ser dito, tornando-a assim receptiva às sugestões desejadas e previamente acordadas em função do objetivo pretendido, sem perder o controle da situação.

O bom hipnoterapeuta procura compreender cuidadosamente a individualidade de cada um para determinar que experiências, habilidades mentais e aprendizagens vividas estejam disponíveis para lidar com o problema.

Ele facilita uma abordagem, para que as respostas internas, pessoais e únicas sejam alcançadas pela experiência de transe na qual o paciente encontra a mudança e as soluções para as suas questões através da hipnose para tratamento.

Neste sentido, a hipnose é como uma caixa de ferramentas e o período de duração dos tratamentos varia de acordo com os casos e com as características de cada indivíduo.

Gostaram desta publicação, querem saber mais?
Deixe nos comentários e assine nossa newsletter!