Muitas pessoas revelam certo nervosismo de tempos em tempos, principalmente quando estão enfrentando alguma situação mais difícil ou um grande problema. Para algumas delas, esses momentos se tornam ainda mais frequentes, dominando uma parte relevante da vida e da atitude de cada um.

É isso mesmo: a ansiedade pode se manifestar de várias formas, como fobia de falar em público, pânico e o transtorno de ansiedade. Para entender melhor sobre o assunto e se inteirar sobre as principais características dessa doença, não deixe de ler o texto de hoje!

O que é transtorno de ansiedade?

A ansiedade é uma terminologia geral usada para caracterizar várias doenças que têm sintomas comuns: nervosismo, medo e preocupação acima da média. Esses, por sua vez, afetam diretamente a maneira como as pessoas vivem e se relacionam, podendo ter manifestações mentais e físicas.

Manifestações mentais

Medo de falar em público

O medo de falar em público é o grande “campeão” dos medos, sendo frequentemente apontado pela maioria das pessoas. Acredite: o temor é tão grande que chega a ultrapassar o medo da morte.

Na verdade, a maioria das pessoas sente no mínimo um frio na barriga antes de fazer uma apresentação pública ou se colocar no centro da atenção, não é mesmo? Entretanto, se esse medo é fora dos padrões normais e não consegue ser controlado por nenhum tipo de treinamento ou prática, pode acabar acarretando uma grande ansiedade.

Se você é do tipo que sofre com uma ansiedade social e fica excessivamente preocupado muito tempo antes de uma apresentação, pode ficar de olho nos outros sintomas. Afinal de contas, o frio na barriga pode ser comum, mas ficar profundamente preocupado sobre como foi julgado ou analisado pode ser torturador.

Insegurança

A insegurança também pode ser um sintoma comum entre a maioria das pessoas, mas ela pode assumir um perfil mais descontrolado no caso do transtorno de ansiedade. Nesse caso, por mais que a pessoa não precise falar em público ou estar em evidência, ela fica ansiosa e se sente desconfortável.

Tudo isso nas situações mais comuns e rotineiras da vida. A pessoa acaba sentindo que está sendo analisada e, por conta disso, acaba experimentando uma situação muito desagradável. Algumas vezes o desconforto é tão forte que acaba sendo refletido fisicamente, com tremores e suor excessivo.

Preocupação excessiva

A preocupação excessiva é um dos sintomas mais comuns. A pessoa acaba se preocupando muito com as coisas do dia a dia, sejam elas grandes ou pequenas. Assim, os pensamentos ansiosos acabam afligindo e tomando conta da pessoa todos os dias da semana, interferindo nas atividades rotineiras e até na sensação de bem-estar.

Perfeccionismo

A necessidade de se acertar sempre está fortemente relacionada com os transtornos. A pessoa acaba se colocando em uma situação de constante julgamento, o que causa muita ansiedade com possíveis erros.

O perfeccionismo (ou o transtorno obsessivo-compulsivo – TOC), por exemplo, pode estar ligado a uma forte ansiedade. Tudo isso porque a pessoa deixa de sair e de se envolver em algum tipo de programação, pois considera que precisa fazer com que tudo em sua vida esteja perfeitamente impecável. Por isso, o simples sinal de que as coisas podem sair um pouco do eixo acaba deixando a pessoa ansiosa e até um pouco descontrolada.

Medos irracionais

Os medos são outro ponto em comum e cada pessoa tem os seus, não é verdade? No caso da ansiedade, o medo age de maneira peculiar: ele tem um perfil não generalizado, mas se refere a alguma coisa ou tipo de situação. É comum encontrar pessoas ansiosas com medos de avião, multidões e relacionamentos, por exemplo.

Para conseguir identificar melhor um medo que vem de fora da realidade e tem um perfil mais irracional, veja se ele está na medida proporcional do real. Se não for, esta pode ser uma fobia.

Manifestações físicas

Pânico

O pânico e seus ataques podem ser uma verdadeira tortura – e são cada vez mais comuns. A pessoa é acometida por uma sensação forte de medo e impotência, o que pode comprometer a respiração, acelerar os batimentos cardíacos e causar tonturas, dores no peito e outros sintomas comuns.

Na verdade, nem todo mundo que tem ataques de pânico tem um transtorno de ansiedade como consequência direta, mas eles podem estar fortemente relacionados.

Tensão muscular

A tensão muscular pode ser outro fator constante. As pessoas com esse perfil ficam apertando a mandíbula, os punhos ou, ainda, flexionando os músculos. E o pior: às vezes, sem perceber, como reflexo involuntário.

Esse sintoma pode se tornar tão repetitivo e comum que a pessoa passa a não perceber que toma esse tipo de postura em algumas situações. Para conviver com essa situação com mais naturalidade, você pode adotar a prática de exercícios regulares para manter a situação sob controle.

Problemas para dormir

A dificuldade de pegar no sono ou de ter uma noite sem aquelas acordadas sem explicação pode ser outra evidência do transtorno de ansiedade. Se você consegue perceber que fica acordado com frequência, agitado e muito preocupado com alguns problemas antes de dormir, pode ser ansiedade.

Pode ser um fator específico, como o dinheiro, ou até a preocupação com nenhum ponto particular ou específico. Para você entender melhor, metade das pessoas com transtorno podem apresentar problemas com sono.

Indigestão crônica

A ansiedade normalmente começa nos pensamentos, mas, como você já percebeu, também pode se refletir nos sintomas físicos. Outro exemplo são os problemas digestivos crônicos, em que a pessoa apresenta a Síndrome do Intestino Irritável (IBS). Nessa situação, a pessoa ansiosa tem dores de estômago, cólica, gases, diarreia ou constipação. Ou seja, a ansiedade afeta o trato digestivo de diferentes maneiras.

Essa é uma manifestação muito comum de ansiedade, acontecendo com uma frequência incrível. O intestino é uma parte do organismo muito sensível ao estresse e pode sentir os sintomas da ansiedade com mais facilidade.

Agora que você já conhece as principais características do transtorno de ansiedade, fica bem mais fácil diagnosticar ou entender sempre que estiver sofrendo desse mal, não é?

Quer acompanhar nossas postagens e interagir com outros psicólogos? Curta a nossa página no Facebook! Lá você vai encontrar assuntos pertinentes para a sua carreira e a chance de fazer um networking incrível. Nos encontramos por lá!