A Doença de Alzheimer é um transtorno neurodegenerativo progressivo e fatal que se manifesta pela deterioração cognitiva e da memória, ou seja, é uma doença progressiva que destrói a memória e outras funções mentais importantes.

Essa doença neuro-degenerativa provoca o declínio das funções cognitivas, reduzindo as capacidades de trabalho e relação social. Com o passar do tempo, ela também interfere no comportamento e personalidade da pessoa, causando consequências como a perda de memória.

O Alzheimer compromete pouco a pouco as atividades de vida diária e uma variedade de sintomas neuropsiquiátricos e de alterações comportamentais, sendo mais comum após os 65 anos.

Sintomas

Na cognição: declínio mental, dificuldade em pensar e compreender, confusão durante a noite, confusão mental, delírio, desorientação, esquecimento, invenção de coisas, dificuldade de concentração, incapacidade de fazer cálculos simples, incapacidade de reconhecer coisas comuns ou perda de memória recente.

No comportamento: agitação, agressão, inquietação, irritabilidade, mudanças de personalidade, repetição sem sentido das próprias palavras, dificuldade para exercer funções do dia a dia, falta de moderação ou vagar sem rumo e se perder.

No humor: apatia, descontentamento geral, mudanças de humor, raiva ou solidão

Sintomas psicológicos: alucinação, depressão ou paranoia.

Nos músculos: contrações musculares rítmicas ou incapacidade de coordenar movimentos musculares.

Também é comum a desorientação, fala embaralhada, incontinência urinária, perda de apetite ou sintomas comportamentais. 

Atualmente a Doença de Alzheimer não tem cura, mas os medicamentos e as estratégias de controle podem melhorar os sintomas temporariamente.

E como a Hipnose Ericksoniana pode auxiliar? 

A Hipnose Ericksoniana entra como uma prática secundária e complementar no tratamento do Alzheimer, fazendo uso da linguagem hipnótica para criar um ambiente onde o paciente se sinta seguro, acolhido e compreendido.

Assim como, usar a linguagem hipnótica como facilitadora ao acesso da sabedoria do inconsciente, a fim de ajudar o cliente a acessar uma segurança emocional e a reorganizar conflitos emocionais e comportamentais que, por ventura, ela vai expressar como consequência da experiência limitadora do Alzheimer.

Nesse sentido, o uso da Hipnose Ericksoniana é como um elemento suportivo, para dar sustentação emocional e intervenção breve, através da linguagem hipnótica, para ajudar o paciente a encontrar segurança interna emocional e reestruturar os conflitos que possivelmente surgirão.  

Como um fator hipotético, os estados de transe de alguma maneira favorecem o acesso de informações importantes para o processo da cura, e como consequência geram determinadas secreções orgânicas, isso pode ser um favorecedor para retardar o avanço do processo do Alzheimer.   

Quer saber em quais outros transtornos a Hipnose Ericksoniana se mostra eficaz? Clique aqui e confira.