No artigo passado abordamos brevemente o conceito de fé e como este pode ser fundamental entre terapeutas ocupacionais. Hoje iremos um pouco mais afundo sobre o grande abismo existente entre a ciência e a crença “sem fundamentos” da qual tantos de nós, possui medo!

 

Porque temos medo da crença em algo não comprovado?

  • Facebook
  • Twitter
  • Google+
  • LinkedIn

14 horas por dia. Este foi o número relatado por uma psicóloga, em resposta a pergunta: “quanto você lê sobre temas relacionados ao seu trabalho?”. Um número que pode assustar à muitos, mas a outros, ser uma realidade aceitável, e que abre nossos olhos para um fato inevitável, o consumo de constante de conhecimento entre terapeutas ocupacionais e profissionais da área.

 

Um hábito que não vêm apenas da necessidade de gerar destaque entre os concorrentes – que convenhamos, aumenta todo o ano – mas também à instrução acadêmica de estar sempre atento ao que a ciência diz sobre os mais variados casos apresentados dentro de nossos próprios consultórios. E como bem sabemos, ciência e fé, não andam juntas!

 

Possuir fatos documentados e tratamentos comprovados por teses e experiências é uma questão não só ética, mas fundamental em nossas profissões.  A mínima tendência de oposição a tais preceitos, pode denegrir toda a carreira do profissional e até mesmo acarretar na exclusão da comunidade científica. O que pode começar a fazê-lo entender o porque preceitos como “fé” não são de forma alguma aceitos dentro de consultório.

 

Devo começar a introduzir conceitos abstratos em meu consultório?

  • Facebook
  • Twitter
  • Google+
  • LinkedIn

De forma alguma! Não defendemos o tratamento de pacientes através de métodos não comprovados ou não aceitos cientificamente. O que estamos propondo é a reflexão sobre os tabus que estão emergidos entre terapeutas ocupacionais. O ceticismo contra métodos estrangeiros é um excelente exemplo de como o tradicionalismo acaba gerando medo do próprio conhecimento!

 

O Tradicionalismo não está relacionado com a inovação

  • Facebook
  • Twitter
  • Google+
  • LinkedIn

Se Freud estivesse conformado com os métodos tradicionais de terapia de sua época, talvez jamais tivéssemos conhecido a psicanálise, assim como jamais teríamos conhecimento sobre a hipnose ericksoniana, se Milton Erickson não tivesse se indagado sobre certas afirmações feitas por Freud. O conformismo com os métodos tradicionais, jamais gerou métodos inovadores.

 

Isso não quer dizer que métodos conservadores não possuem propriedade, do contrário, não seriam a base do conhecimento em si. No entanto, é importante não deixar que velhos paradigmas nos impedem de evoluir em relação ao conhecimento de novos tratamentos efetivos.

 

O maior problema entre os terapeutas ocupacionais é o medo da inovação, o medo de procurar novos métodos e consequentemente o ceticismo gerado por este medo. Não há problema em adquirir conhecimento, pesquisar sobre o assunto e tirar conclusões próprias.

 

O problema surge à partir do momento em que você escolhe estagnar em sua carreira e em seu conhecimento. Não deixe de investir em inovação, conheça o  blog que está repleto de conteúdos que podem te auxiliar: http://actinstitute.org/blog/

 

Até a próxima.

Equipe ACT Institute.