Se você está pensando em iniciar a carreira de hipnoterapeuta, encontrou o texto certo. Neste post, você vai saber tudo sobre a profissão que hoje em dia é uma alternativa eficaz no tratamento de diversos distúrbios emocionais.

Trata-se de um dossiê com o qual será possível saber mais sobre a hipnose e os seus benefícios. Além disso, você vai descobrir como se tornar um hipnoterapeuta, o que esperar da profissão e os desafios que ela traz.

Se você quer adotar essa técnica como ferramenta terapêutica junto aos seus pacientes ou até mesmo iniciar uma nova carreira, este post se mostra bastante útil. Confira:

O que é hipnose?

De acordo com o responsável pelo setor de medicina integrativa do Hospital Israelita Albert Einstein, Paulo de Tarso Lima, a hipnose possui credibilidade em muitos países devido à sua efetividade.

Ao contrário do que algumas pessoas ainda pensam, ela não tem a finalidade de controlar os pacientes. O seu verdadeiro objetivo é ajudá-los a atingir um estado de atenção focada, com o qual será possível ter acesso ao inconsciente e usar as informações contidas nele para fazer mudanças pontuais.

Por meio desse estado, o inconsciente do paciente é ativado e a consciência, distraída, de modo que toda atenção seja direcionada para uma única coisa.

Além de atuar como coadjuvante em tratamentos psicológicos e psiquiátricos, a hipnose pode ser aplicada com sucesso em áreas como educação, esportes, direito criminal e recursos humanos.

Quais são os tipos de hipnose?

Além da hipnose tradicional de Dave Elman, temos a auto-hipnose e a hipnose ericksoniana, desenvolvida pelo psiquiatra Milton Erickson. Conheça melhor a abordagem de cada um dos tipos de hipnose e as suas características:

Tradicional

Na abordagem tradicional, o hipnoterapeuta utiliza técnicas de relaxamento mental e muscular para induzir o paciente a entrar em transe hipnótico.

Além disso, faz testes para descobrir o quão suscetível à sugestão ele é, já que nesse tipo de hipnose a pessoa precisa ser suscetível para atingir o estado de atenção focada.

A única desvantagem dessa abordagem é que o resultado depende da suscetibilidade de cada pessoa e do quanto ela aceita as sugestões que lhe são dadas.

Auto-hipnose

A auto-hipnose é uma forma de aprender a controlar as próprias emoções utilizando técnicas como contagem, jogos de palavras, sugestões subliminares, entre outras.

O principal objetivo é estimular a autoconfiança e reforçar a autoestima do paciente, já que por meio da auto-hipnose ele é capaz de alterar a si mesmo.

Existem cursos e livros sobre o assunto, mas, para que a técnica tenha efetividade, é importante que a pessoa queira melhorar e tenha uma atitude positiva diante da terapia.

Ericksoniana

Ao contrário da hipnose tradicional, o método ericksoniano não depende da sugestionabilidade do paciente, pois ele é personalizado, ou seja, respeita as características pessoais de cada um.

Criado pelo psiquiatra Milton Hyland Erickson, esse método se adapta à linguagem de cada paciente, fazendo com que o inconsciente ofereça menos resistência. Para Milton, não há pacientes resistentes, e sim maus terapeutas.

Na hipnose ericksoniana, o hipnoterapeuta é um facilitador, aquele que orienta o paciente a entrar em contato com o seu inconsciente, a ampliar o conhecimento de si mesmo e a usar as informações coletadas para alterar os quadros ou situações de conflito.

Trata-se de um trabalho de colaboração entre paciente e hipnoterapeuta, na qual ambos utilizam os recursos disponíveis para atingir um objetivo pré-determinado. O hipnólogo, por meio de técnicas; o paciente, dos recursos do seu próprio inconsciente.

Alguns problemas que podem ser tratados por meio do método ericksoniano, são:

  • angústia;

  • ansiedade;

  • cansaço mental;

  • conflitos internos;

  • depressão;

  • dificuldade de concentração;

  • insônia;

  • medo;

  • entre outros.

Quais são os seus principais benefícios?

A hipnose promove um equilíbrio entre os estados consciente e inconsciente do indivíduo, ajudando-o a lidar melhor com emoções como medo, raiva, ciúme, entre outras.

O grande benefício dessa técnica é a possibilidade de sair do piloto automático, ou seja, de ser comandado pelas emoções, e passar a ter controle sobre elas, decidindo quando usá-las ou não.

E, para o hipnoterapeuta, a hipnose se revela como uma ótima opção no tratamento de distúrbios emocionais não só pela efetividade mas também por ser mais rápida do que outras terapias, abordar mais questões e, principalmente, ir ao ponto central dos problemas.

Abaixo, você pode conferir mais benefícios da hipnose clínica e entender por que a cada dia profissionais no mundo inteiro a utilizam, inclusive como coadjuvante em diversos tratamentos.

Ajuda no autoconhecimento

Se tem uma coisa que a hipnose promove é o autoconhecimento do paciente. Por meio dela, eles se tornam conscientes dos seus problemas e das causas deles, fazendo com que seja possível o enfrentamento.

Eficaz contra o tabagismo

Muitas pessoas passam por crises terríveis de abstinência, pois tentam a todo custo arrancar o vício de si mesmas sem saber que por trás dele há emoções que proporcionam o desejo de fumar.

A hipnoterapia utiliza um processo natural e espontâneo no qual o paciente é convidado a examinar os seus pensamentos a respeito do cigarro e a ressignificá-los, fazendo com que a necessidade de fumar diminua com o tempo.

Não há riscos reais para o paciente

O tratamento é direcionado ao inconsciente da pessoa, ou seja, não é uma técnica invasiva. Também é totalmente livre medicamentos.

Após uma avaliação preliminar da situação do paciente, o terapeuta saberá qual tratamento seguir. E, ao contrário do que algumas pessoas pensam, não há risco algum, pois a hipnose é uma técnica segura e individualizada.

Não há efeitos colaterais

Ao se submeter ao tratamento, os pacientes não sofrem dores nem reações adversas. Qualquer um pode se consultar em qualquer hora do dia, seja antes do expediente ou entre uma atividade e outra.

Além disso, não há contraindicações. Qualquer pessoa com problemas que estejam ao alcance da hipnose pode se beneficiar do tratamento.

Além dos benefícios apresentados, a hipnose também:

  • promove o acesso ao inconsciente;

  • ajuda no tratamento da ansiedade;

  • é eficaz contra a obesidade e o alcoolismo;

  • é direcionada para o problema do paciente;

  • motiva a quebra de crenças limitantes;

  • auxilia no tratamento de dependência química;

  • desenvolve estados de alto rendimento;

  • melhora a capacidade de concentração;

  • entre outros.

Existe diferença entre hipnose e programação neurolinguística?

É importante saber que hipnose e programação neurolinguística (PNL) são coisas distintas, apesar de ambas terem um objetivo comum: levar o paciente a uma mudança de comportamento.

A PNL utiliza estratégias relacionadas a padrões linguísticos, enquanto a hipnose trabalha com a indução de um estado mental no qual há a redução da consciência periférica do paciente.

Então, apesar de terem pontos em comuns, existe diferença entre PNL e hipnose, principalmente na abordagem, uma vez que uma fala com a mente consciente e a outra, com a mente inconsciente.

Quem pode ser hipnoterapeuta?

A carreira de hipnoterapeuta não se limita apenas a psicólogos e a psiquiatras. Médicos, odontólogos, fisioterapeutas, terapeutas, pedagogos e outras profissões podem utilizá-la como uma ferramenta para tratamento e cura dos seus pacientes.

Inclusive, diversas categorias são orientadas pelos seus códigos de ética sobre a utilização dessa terapia não só para fins terapêuticos, mas também científicos e de pesquisa.

Isso mostra o quanto a hipnose vem sendo reconhecida como alternativa eficaz e segura no tratamento de vícios, fobias e outros problemas emocionais.

Veja abaixo algumas categorias que podem se beneficiar com a formação em hipnose.

Psicólogos e psiquiatras

Para psicólogos e psiquiatras, obter a formação de hipnoterapeuta pode ser muito benéfico. De posse dela, eles podem aliar as técnicas de hipnose clínica com tratamentos que já utilizam nos seus consultórios.

Nesse caso, não há necessidade de inscrição como terapeuta, a menos que ele atue em uma área diferente da sua capacitação profissional. E, como o uso da hipnose foi regulamentado pelo Conselho Federal de Psicologia (CFP), basta que esses profissionais tenham a certificação em hipnose.

Terapeutas

Tantos os terapeutas considerados convencionais como os alternativos (holísticos) podem se tornar hipnoterapeutas. Para isso, é necessário que eles sejam sindicalizados e que obtenham formação em hipnose.

Assim, ele poderá oferecer um tratamento a mais e ajudar os seus pacientes em diversos conflitos e adversidades, além de atuar em áreas como educação, saúde, esportes, entre outras.

Fonoaudiólogos

Fonoaudiólogos podem ajudar os seus pacientes por meio do transe hipnótico, uma vez que muitos problemas da fala têm um fundo psicológico. Sendo assim, o certificado em hipnoterapia pode ser um diferencial para esse profissional, principalmente quando as outras técnicas falham.

Fisioterapeutas

Em alguns casos, a dificuldade de recuperação física de um paciente possui causas enraizadas no inconsciente. O uso da hipnoterapia pode ajudar principalmente em casos nos quais o paciente precisa utilizar a concentração nos esforços para melhorar a sua condição física.

Os profissionais citados acima são apenas alguns que podem atuar como hipnoterapeutas certificados.

Aqueles que não estão regulamentados pelos seus respectivos conselhos devem se inscrever em um sindicato de terapeutas, que os ajudará a ter respaldo trabalhista e obter junto às prefeituras alvará e licença de funcionamento.

Ressalta-se ainda que não é necessário ter formação superior para exercer a profissão nem ser profissional da área de saúde. No entanto, é obrigatório fazer um curso de hipnose.

Quais são os passos para se tornar um hipnoterapeuta?

Agora que você já sabe quem pode atuar nessa área, veja o que é necessário para começar.

Habilidades pessoais

Antes de buscar formação profissional, é importante descobrir se você tem o perfil esperado para atuar como hipnoterapeuta.

A área pede profissionais que gostem de se comunicar e que tenham paciência para desmistificar tabus e mitos sobre a própria hipnoterapia.

Também é preciso empatia, afinal, lidar com o ser humano exige se colocar no lugar do outro para entender as suas dores e, assim, oferecer o tratamento que ele precisa.

Por fim, ter profissionalismo sem nenhum tipo de preconceito. É preciso estar aberto ao diferente e abrir mão de filosofias e conceitos pré-determinados, inclusive religiosos.

Formação Profissional

Como já foi dito, não é necessário ter uma formação superior para exercer a profissão.

Alguns profissionais como psicólogos, médicos, odontólogos e fisioterapeutas, estão amparados pelos seus conselhos de classe para utilizar a técnica como tratamento coadjuvante, desde que possuam curso de hipnose em instituição devidamente regulamentada.

Outras áreas podem se sindicalizar em sindicatos de terapeutas para obter a carteira profissional e, junto com a certificação em hipnose, exercer regularmente a profissão.

Capacitação em hipnose

A capacitação é fundamental para começar a atuar na área de hipnose clínica. Segundo a Associação Americana de Profissionais Hipnoterapeutas (AAPH), o curso deve ter carga horária mínima de 100 horas.

O importante é escolher um curso sério e responsável, oferecido por uma instituição certificada em órgãos nacionais e internacionais e que possua um corpo docente experiente.

Cursos complementares e de especialização

Além da formação profissional, alguns cursos complementares podem auxiliar, principalmente aqueles voltados para o crescimento profissional.

Entre eles, podemos citar:

  • cursos de atendimento humanizado;

  • e cursos relacionados a distúrbios emocionais, como:

    • ansiedade;

    • depressão;

    • obesidade;

    • tabagismo;

    • entre outros.

Eles são de grande importância, pois oferecem uma boa base para o profissional, além de prepará-los para lidar com diversos conflitos e situações.

O que esperar da carreira de hipnoterapeuta?

Talvez uma das dúvidas mais comuns de quem decide iniciar a carreira de hipnoterapeuta é sobre o que esperar dela. Muitos profissionais têm dúvidas sobre as perspectivas de salário e a utilização da hipnoterapia nas suas respectivas áreas.

A boa notícia é que o sucesso da hipnose como tratamento coadjuvante é cada vez maior. Odontólogos, médicos, pedagogos, terapeutas e até mesmo fisioterapeutas aplicam as técnicas e relatam resultados efetivos nas mais diversas áreas de atuação.

Perspectivas de salário

O que determina quanto um hipnoterapeuta vai ganhar se baseia em alguns fatores, já que não existe uma regulamentação específica para a profissão.

É importante levar em conta o investimento feito para iniciar a carreira (valor dos cursos, compra de livros e demais custos envolvidos na formação), e outros fatores, como:

  • rendimento mínimo para se manter;

  • valor cobrado por hipnoterapeutas na região;

  • quantas consultas serão realizadas por dia;

  • qual é gasto mensal com despesas de consultório (aluguel, mobília, etc.).

Analisar esses pontos é importante para que o profissional encontre um meio termo no qual seja possível oferecer os seus serviços e obter um lucro justo por eles. E lembre-se de que quanto mais conhecimento agregado, maior é o valor do seu trabalho.

Ampliação da área de atuação

Além das técnicas já utilizadas por psicólogos, psiquiatras, terapeutas e outros profissionais, a hipnoterapia surge como uma alternativa de terapia breve altamente eficaz no tratamento de problemas que surgem com frequência em consultórios (fobias, traumas, compulsões, entre outros).

Poder oferecer essa alternativa quando as outras falham é um diferencial, além de aumentar as chances de cura dos pacientes, fazendo com que eles tenham mais confiança no seu trabalho.

Quais são os desafios da profissão?

Ao longo deste post, você conheceu mais sobre a hipnose e sobre a carreira de hipnoterapeuta. Porém, é importante saber que a profissão possui muitos desafios, uma vez que o tema ainda é rodeado de mitos.

Apesar de a hipnose ser aceita e comprovados os seus benefícios em tratamentos de ordem física e emocional, algumas pessoas não a levam a sério e tentam desacreditá-la.

Por isso, é preciso desmistificar a imagem sobrenatural que ela ainda possui, ou seja, fazer com que ela deixe de ser vista como show e que seja encarada como técnica cientificamente comprovada e reconhecida por vários conselhos profissionais.

Para que não fique dúvida sobre a seriedade e a efetividade da hipnose, conheça alguns mitos que devem ser vencidos para que os pacientes e a sociedade em geral tenha uma outra visão sobre o assunto.

Promove situações constrangedoras

Ao contrário dos shows de hipnose, que contém elementos para impressionar o público, as sessões de hipnose não acontecem dessa forma.

O paciente é estimulado a acessar o seu inconsciente com o propósito de obter conhecimento das suas emoções e tratá-las em um nível mais profundo.

Ele não será influenciado a assumir personalidades estranhas ou realizar ações que não faria no seu estado consciente. Ele vai somente acessar informações que não estão claras e, por meio delas, encontrar a cura para os seus problemas.

O hipnoterapeuta controla o paciente

Muitas pessoas ainda acreditam que, ao se submeter à hipnose, passam a ser controladas pelo hipnólogo. Isso é apenas mito, pois o paciente tem total controle dos seus atos.

Inclusive, esse é o maior objetivo da hipnose — principalmente a ericksoniana: permitir que o indivíduo acesse informações no seu inconsciente para encontrar as causas dos seus conflitos e controlá-los.

Isso faz com que ele amplie os seus sentidos, tornando-se consciente das emoções que possui a ponto de decidir naturalmente quais deseja expressar e quais tem a vontade de eliminar.

Sendo assim, o hipnoterapeuta é apenas um guia que, por meio de estratégias e sugestões, ajuda o paciente a criar um cenário no qual ele mesmo encontra as respostas que está buscando.

O paciente não tem consciência dos seus atos

Durante o tratamento — e, mais especificamente, nas sessões —, o paciente permanece consciente, mas em um estado de foco de atenção. Isso quer dizer que a sua percepção está diferente do seu estado normal.

Como foi dito, há uma aplicação de sentidos, e não a ausência deles, pois ele passa a acessar o consciente e o inconsciente, mas sem perder a noção do que está acontecendo.

A hipnose faz milagres

Para obter resultados efetivos, é preciso vencer medos e barreiras que cada um possui no seu inconsciente. E isso não se dá de uma hora para a outra.

Infelizmente, muitas pessoas ainda acreditam que a cura por meio da hipnose se dá em alguns minutos ou apenas em 1 sessão.

É um mito que deve ser derrubado, pois apesar de ser um tratamento breve se comparado a outros, ele não é milagroso, e o número de consultas é o necessário para cada paciente, já que é um processo individualizado.

O hipnoterapeuta tem poderes sobrenaturais

Não há nada de sobrenatural na atuação do hipnoterapeuta. Trata-se de um profissional sério, que se capacitou nessa área de conhecimento.

A sua abordagem se baseia em conhecimentos científicos e em habilidades pessoais que lhe conferem o “poder” de se conectar ao paciente para que possam, juntos, construir um cenário diferente, no qual a cura é possível e alcançável.

Como o método ericksoniano pode ajudar a desmistificar a hipnose?

Baseada no princípio de que o paciente é o principal responsável pela sua cura e que o terapeuta é apenas um facilitador, a hipnose ericksoniana surge como um referencial sério sobre o assunto.

Por se tratar de uma terapia individualizada, totalmente personalidade às necessidades do paciente, ela ajuda a derrubar os mitos que fazem com que a hipnose assuma um papel de show sobrenatural.

Por meio da hipnose ericksoniana, é possível tratar pessoas com quadros de ansiedade, depressão, medos, angústias e outros problemas de ordem psicológica.

Como profissional, o hipnoterapeuta tem acesso a uma metodologia que leva o paciente gradativamente ao autoconhecimento, sendo uma espécie de guia para que ele consiga chegar às respostas que procura, ou seja, à cura.

Ele não faz milagres nem usa o sobrenatural para tratar os seus pacientes, mas aplica as técnicas que aprendeu para levar o paciente a seguir a rota mais rápida para chegar ao seu objetivo.

Uma dessas técnicas é o uso de histórias. Cada vez mais elas ajudam pacientes a entrarem em contato com os seus mundos interiores, fazendo com que eles acessem um nível mais profundo de consciência e que o tratamento seja mais eficaz.

Para Milton Hyland Erickson, o objetivo das histórias é mudar um comportamento ou uma associação mental, fazendo com que o paciente atinja o inconsciente de forma adequada e promova as alterações necessárias.

Ao longo deste post, você conheceu os passos mais importantes para iniciar a carreira como hipnoterapeuta, reforçou os seus conhecimentos sobre o que é hipnose, os seus benefícios e por que ela é tão respeitada.

Percebeu, ainda, que o caminho para atuar nessa área exige estudo e também habilidade pessoais, já que é uma abordagem totalmente humanizada, com foco nas necessidades individuais do paciente.

E então, está preparado para dar o 1º passo e iniciar sua carreira de hipnoterapeuta? Se tiver alguma dúvida, entre em contato conosco e conheça os nossos cursos!