Praticamente todos nós já utilizamos a diferença entre mente consciente e inconsciente para explicar algum processo psicológico no nosso dia a dia. Frequentemente, quando trocamos algum nome ou revelamos algum desejo oculto, por exemplo, dizemos algo como: “foi meu inconsciente”.

Mas, para além do conhecimento popular, você sabe o que realmente são o inconsciente e o consciente? Como essas duas entidades interagem para moldar nossa personalidade e nosso comportamento, formando quem realmente somos?

Neste post, trataremos com mais detalhes da diferença entre mente consciente e inconsciente. Então, continue lendo e confira tudo sobre essas duas entidades e seus conceitos!

Qual é a diferença entre mente consciente e inconsciente?

Bem, a verdade é que, até hoje, não temos uma resposta definitiva. Desde que Freud cunhou esses conceitos, no século XIX, vários psicanalistas e neurocientistas já procuraram desvendar os segredos do inconsciente e os limites do consciente, mas ainda há muito o que descobrir.

Nesse sentido, o inconsciente é um conceito essencial na psicologia e na psicanálise, mas ainda muito difícil de definir. Afinal, cada analista da mente busca uma definição que se adapta melhor à sua forma de clinicar. Ainda assim, alguns dos seus aspectos são unânimes:

1. É onde estão reprimidos os nossos instintos

Apesar de vivermos em sociedades complexas há milhares de anos, nossos instintos mais primitivos continuam em nossa mente. Entretanto, as forças externas — pais, irmãos, escolas; enfim, a sociedade — impõem limites à nossa vontade e não permitem que esses instintos aflorem.

Com isso, nosso consciente toma o controle da nossa agressividade, dos nossos medos e dos nossos impulsos. Mas isso não significa que eles foram embora para sempre: eles ficam reprimidos no inconsciente, prontos para serem ativados com o estímulo certo.

É por isso que, ao sermos violentados, temos a capacidade de ativar toda a nossa agressividade para nos proteger, por exemplo; mas, em situações normais, não temos esse comportamento de ataque contra qualquer estímulo.

2. Guarda as nossas memórias mais traumatizantes

Nem tudo o que passamos na nossa vida é agradável, é? Algumas situações são tão terríveis que nos esquecemos delas, pois a simples lembrança já nos causa uma imensa dor.

Isso ocorre porque, como evita ao máximo o sofrimento, a nossa mente busca reprimir essas lembranças para nunca mais rememorarmos aquela situação tensa.

Infelizmente, contudo, nada é perfeito. Não eliminamos os traumas para sempre: eles ficam lá guardados, no inconsciente. Assim, diante de determinadas situações, podemos ter reações inesperadamente exaltadas, ou até violentas.

Temos, por exemplo, o caso do paciente G., que foi mordido por um cachorro quando criança, o que o traumatizou bastante. Hoje, exceto pela cicatriz, ele não guarda mais nada do evento — sequer se lembra do evento.

No entanto, quando ouve algum rosnado, seu corpo treme completamente e sua frio, como se estivesse sendo atacado. Esse fenômeno é justamente uma memória inconsciente sendo capaz, por meio de um estímulo específico, de atingir ao seu consciente.

3. Funciona como uma linguagem

O inconsciente é também uma rede de significados e significantes ocultos em nossa mente. Assim, quando você vê uma pessoa que você não gosta, por exemplo, seu consciente simplesmente expressa um “não gosto”, reagindo mal com a presença dessa pessoa.

Mas, já no nível inconsciente, pode haver diversos significados em relação a essa pessoa que você não é capaz de perceber. Então, para trabalhar esse ódio, você precisa descobrir esses significados ocultos e estabelecer novas relações de significante-significado mais positivas.

Como a hipnose intervém nesse processo?

De fato, se descobrir significados e sensações inconscientes fosse uma tarefa fácil, não teríamos tantos incômodos psicológicos. Nossos mistérios estariam sempre claros para nós, e compreenderíamos perfeitamente nossas ansiedades e angústias.

Mas não é isso que acontece. E, diante de uma empreitada como essa, a hipnose pode oferecer a ajuda necessária para que possamos descobrir as profundezas da nossa mente. Como?

Basicamente, essa metodologia faz com que o nosso consciente baixe a guarda, de forma que os nossos pensamentos não encubram o conteúdo inconsciente. Assim, a linguagem do inconsciente floresce e fornece para o analista todas as relações ocultas que você vem reprimindo há anos, sem perceber.

Em outras palavras, é possível realizar uma terapia de fala muito mais eficaz, que atinge as raízes do problema, e não seus sintomas.

Como a hipnoterapia pode ajudar na mudança de hábitos e comportamentos?

Frequentemente, não somos capazes de mudar porque as forças inconscientes estão agindo contra nós. Dizendo assim, pode parecer irreal, mas é até bem frequente.

Vejamos um exemplo: uma vez, uma paciente nos procurou porque não conseguia ser mais produtiva para conseguir uma promoção. Ela dizia:

“Eu quero muito avançar na carreira, mas há uma força dentro de mim que me impede.”

Então, iniciamos as sessões de hipnose, que nos revelaram o seguinte: desde criança, sendo a irmã do meio, a paciente acreditava que a mãe dava mais atenção para seus irmãos. Quando se destacava em algo, ela sentia que não era notada, e ficava triste.

Dessa forma, ela criou um medo muito grande de não ser reconhecida pelo que fez e montou uma defesa inconsciente de nunca se esforçar o bastante. Assim, ela jamais se sentiria frustrada de gastar muita energia para se destacar e acabar sendo ignorada.

Depois que isso foi relevado, então, foi muito mais fácil impulsioná-la para a nova promoção. Inclusive, trazendo as memórias esquecidas para o consciente, foi possível ainda criar uma nova relação de significantes e significados.

Por meio da terapia, a paciente percebeu que a mãe reconhecia, sim, os seus êxitos, mas não conseguia expressá-los adequadamente porque ficava sempre cansada da rotina de cuidar de 7 filhos. Com tudo isso, então, seu medo de não ser notada deixou de ser um empecilho para a sua produtividade.

Enfim, como vimos, é preciso explorar bem todas as relações conscientes e inconscientes de nossa mente. Até porque, no dia a dia, não conseguimos elaborar bem essas duas instâncias essenciais do nosso eu e, com isso, o inconsciente vai acumulando relações disfuncionais que nos impedem de realizar nossos sonhos e desejos.

Conhecendo a diferença entre mente consciente e inconsciente, no entanto, podemos compreender que nem tudo o que se passa em nós é bem percebido. Dessa forma, podemos usar ferramentas como a hipnose e a terapia para revelar o que pode nos prejudicar bastante.

E aí, gostou do post? Quer entender tudo sobre os tipos de hipnose para ajudar seus pacientes a serem cada vez mais felizes e funcionais? Então aproveite para ler também um pouco mais sobre as diferentes abordagens de hipnose disponíveis atualmente!